Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

União Europeia concede status de candidato à Ucrânia em duro golpe a Putin

Bruxelas acelerou dramaticamente o processo devido à invasão da Rússia; Moldávia também recebeu o status de candidata

Por Da Redação Atualizado em 23 jun 2022, 16h11 - Publicado em 23 jun 2022, 15h53

A União Europeia concedeu à Ucrânia nesta quinta-feira, 23, o status de candidata ao bloco, em uma decisão histórica que abre o processo de adesão de Kiev, em um golpe ao presidente Vladimir Putin.

Em uma cúpula em Bruxelas, líderes europeus aprovaram o status de candidato da Ucrânia quase quatro meses depois que o presidente do país, Volodymyr Zelensky, pediu para se juntar ao bloco nos primeiros dias da invasão russa. A Moldávia também recebeu o status de candidata.

Para ganhar o status, geralmente leva anos, mas a União Europeia acelerou o processo por conta da guerra provocada pela Rússia. O embaixador da Ucrânia na União Europeia, Vsevolod Chentsov, comentou no início desta semana que o bloco se moveu à “velocidade da luz” por seus padrões.

“A Ucrânia está passando por um inferno por uma razão simples: seu desejo de ingressar na União Europeia”, tuitou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na véspera da cúpula. Na semana passada, a comissão pediu aos líderes do bloco que concedam o status de candidato à Ucrânia.

“Nossa opinião reconhece o imenso progresso que a democracia [ucraniana] alcançou desde os protestos de Maidan em 2014”, disse Von der Leyen.

Falando sobre a decisão positiva esperada, Zelensky disse: “Isso é como ir da escuridão para a luz”.

Continua após a publicidade

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que o status de candidato acabaria com “décadas de ambiguidade” e definiria: “a Ucrânia é a Europa, não parte do mundo russo”.

A Ucrânia busca a adesão à União Europeia desde a “revolução laranja” de 2004, e mais enfaticamente desde os protestos de Maidan, em 2013 e 2014, quando o presidente pró-Kremlin, Viktor Yanukovych, foi deposto após se recusar a assinar um acordo de associação com o bloco.

Antes da guerra, a adesão estava fora da mesa pela corrupção no país, entre outros motivos. No entanto, as autoridades que se opunham à candidatura mudaram de posição por temores de estar do lado errado da história.

Agora, as negociações sobre a adesão levarão muitos anos. O processo também pode ser revertido, caso um futuro governo de Kiev não implementar reformas no Estado de direito e alinhar sua economia aos padrões da União Europeia.

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, disse que a União Europeia deve “reformar seus procedimentos internos” para se preparar para novos membros, pedindo que o sistema acabe com vetos. A França, que tinha afirmado que a Ucrânia não receberia um “passe VIP” para entrar no bloco, é um dos vários países que se opõe a desistir do veto sobre as decisões de política externa.

A Moldávia, o ex-país soviético de 3,5 milhões de habitantes que experimentou um aumento nas tensões desde a invasão russa de seu vizinho, também recebeu o status.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)