Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump anuncia que conselheiro Don McGahn vai deixar o cargo

Advogado trabalha com atual presidente desde campanha para as eleições de 2016; atritos se tornaram frequentes

Por Da redação - Atualizado em 29 Aug 2018, 19h43 - Publicado em 29 Aug 2018, 16h49

O conselheiro da Casa Branca, Don McGahn, vai deixar o cargo nos próximos meses, anunciou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em sua conta no Twitter nesta quarta-feira (29). A razão foi o recorrente atrito entre McGahn e Trump.

“Eu tenho trabalhado com Don por um longo tempo e aprecio verdadeiramente o seu serviço!”, escreveu o presidente.

Em conversas com assessores, Trump teria reclamado de McGahn e falado em substituí-lo. O conselheiro também já falava em renunciar em meio a controvérsias da Casa Branca. É ele quem supervisiona o difícil processo de ingresso do Brett Kavanaugh, indicado de Trump, na Suprema Corte.

Por esse motivo, McGahn deverá aguardar a confirmação da indicação do republicano pelo Senado antes de se afastar do governo. Kavanaugh foi escolhido por Trump para substituir o juiz Anthony Kennedy, que vai se aposentar.

Continua após a publicidade

McGahn atuou como conselheiro da Casa Branca desde o início do governo Trump, depois de ter trabalhado na campanha do republicano à Presidência em 2016.

Ele desempenhou um papel central ao ajudar Trump a reformular alguns dos tribunais mais influentes do país, incluindo a Suprema Corte, e participou da investigação do procurador especial Robert Mueller, que apura a interferência russa na eleição americana.

Como conselheiro do presidente, McGahn também desempenhou muitas vezes o papel de apaziguador, especialmente nas questões referentes à investigação de Mueller. A equipe do procurador solicitou, em diversas ocasiões, documentos e depoimentos a membros da Casa Branca, e costumava tratar da questão com o advogado.

A saída de McGahn acontece em um momento especialmente frágil para a Casa Branca, com a condenação de Paul Manafort por várias acusações de fraude e o acordo de delação firmado pelo ex-advogado pessoal de Trump, Michael Cohen.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade