Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Torre Eiffel está em ‘mau estado e enferrujada’

Segundo relatório vazado, o monumento precisa de grandes reformas, e não apenas os reparos feitos para as Olimpíadas de 2024

Por Duda Gomes Atualizado em 5 jul 2022, 12h29 - Publicado em 4 jul 2022, 17h52

Um dos monumentos mais famosos do mundo, a Torre Eiffel faz parte do imaginário dos milhares de visitantes que sonham em conhecer Paris. Mas a construção não está nas melhores condições. A torre está “em mau estado e cheia de ferrugem”, de acordo com relatórios confidenciais vazados e divulgados pela revista francesa Marianne.

Afirmaram ainda que é necessário um reparo completo, mas ao invés disso estão sendo feitas pequenas reformas para os Jogos Olímpicos de 2024 em Paris.

“Se Gustave Eiffel visitasse o local, teria um ataque cardíaco”, disse um gerente não identificado da torre a Marianne.

+Tribunal condena 20 pessoas por ataque terrorista de Paris em 2015

A torre de ferro foi construída para a feira mundial em Paris de 1889, e seria desmontada 20 anos depois, mas não foi. Tem 324 metros de altura e 7.300 toneladas. O engenheiro responsável pela empreitada, Gustave Eiffel, disse na época que identificar e impedir a propagação da ferrugem foi o maior desafio para a longevidade da construção e sugeriu que precisaria de pintura a cada sete anos.

Continua após a publicidade

O monumento está passando por uma repintura, pela 20ª vez, no valor de 60 milhões de euros, em preparação para as Olimpíadas de 2024. Atrasos na obra causados ​​pela Covid e a presença de chumbo na pintura antiga significam que apenas 5% serão tratados, mas era necessário mais de 30% de obras. Especialistas sugerem que esse tipo de manutenção não é suficiente para manter a construção de 133 anos.

+Ficou complicado: Reeleito, Macron não consegue maioria na Assembleia

A empresa que supervisiona o monumento, que é majoritariamente comandada pela prefeitura, reluta em fechá-la por um longo período para manutenções, devido ao alto valor turístico que seria perdido.

A torre Eiffel recebe cerca de 6 milhões de visitantes por ano, sendo o quarto local cultural mais visitado da França depois da Disneylândia, do Louvre e do Palácio de Versalhes. O fechamento forçado pela Covid em 2020 resultou em uma perda de 52 milhões de euros em receita.

Em 2014, a Expiris, empresa especializada em pintura, descobriu que a torre tinha rachaduras e ferrugem e apenas 10% da pintura mais recente da torre estava aderindo à estrutura. Um relatório de 2016 encontrou 884 falhas, incluindo 68 que representavam um risco para a “durabilidade” da estrutura. Cada uma das falhas foi fotografada, numerada e classificada de acordo com o grau de gravidade.

No site da torre é possível encontrar um ponto de vista mais otimista, no qual diz que se for repintada, a Torre Eiffel pode durar para sempre.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)