Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ficou complicado: Reeleito, Macron não consegue maioria na Assembleia

Presidente viu as bancadas rivais ganharem muito mais espaço e vai ter de cortar um dobrado para aprovar seus projetos no segundo mandato

Por Caio Saad Atualizado em 27 jun 2022, 11h23 - Publicado em 25 jun 2022, 08h00

Ah, as voltas que a política dá. No segundo turno da eleição presidencial na França, as três figuras de maior destaque estavam na seguinte situação: Emmanuel Macron, 44 anos, o presidente centrista em busca de reeleição e precisando cooptar apoios, cortejava com mimos e rapapés o líder da esquerda, Jean-­Luc Mélenchon, que não gosta dele mas tapou o nariz e recomendou o voto útil, com o intuito de cortar as asas de Marine Le Pen, 53 anos, a musa da extrema direita. Resultado: Macron ganhou, com respeitáveis 59% dos votos, e Le Pen teve de engolir a segunda derrota para ele (já perdera em 2017). Parcos dois meses depois, veio a votação para a Assembleia Nacional e tudo mudou: os dois extremos do espectro, à esquerda e à direita, pulam de alegria com suas conquistas, enquanto Macron amarga a perda da maioria absoluta e a necessidade — dolorosa para quem já se comparou a Júpiter — de ter de costurar alianças para poder governar.

A coligação de Macron, depois de passar semanas desancando sem piedade os candidatos da esquerda transmutados em rivais, saiu das urnas com a maior bancada, de 245 cadeiras, mas muito menos do que as 350 de cinco anos atrás e abaixo das 289 que formam a ambicionada maioria absoluta. Mélenchon, 70 anos, velha raposa da esquerda radical, operou o milagre de unir sua turma aos verdes, socialistas e comunistas em uma ratatouille improvável chamada Nupes (Nova União Popular Ecológica e Social) e conquistou 131 cadeiras, tornando-se a segunda maior força da casa. Le Pen, por sua vez, passou de derrotada a triunfante: seu partido, o Reagrupamento Nacional, que credita todos os males da França aos imigrantes e quer tirar o país da União Europeia, saltou de oito para 89 deputados. “Estamos escrevendo um novo capítulo na história de nossa família política”, celebrou. Nessa dança de cadeiras, o dono do título de maior fiasco eleitoral pode, no fim das contas, sair ganhando: o Republicanos de Jacques Chirac e Nicolas Sarkozy, que durante décadas dividiu o poder com os socialistas, minguou de 112 para 65 deputados, mas virou o fiel da balança do enfraquecido Macron.

Ciente de seu peso menor na balança do poder, o presidente convidou todos os líderes de blocos partidários para uma conversa no Palácio do Eliseu (Mélenchon não apareceu; Le Pen foi e posou, toda sorridente). A nova divisão da Assembleia tem tudo para dar dor de cabeça ao governo, visto que, na campanha, tanto la gauche quanto la droite se esmeraram em defender tudo o que Macron ataca e atacar tudo o que ele defende. Um de seus projetos mais caros é elevar gradativamente a idade da aposentadoria de 62 para 65 anos (Mélenchon, o antitudo, quer diminuir para 60) — se não conseguiu quando tinha maioria, que dirá agora.

RINDO À TOA - Mélenchon, da esquerda, e Le Pen, da direita: triunfo inesperado -
RINDO À TOA - Mélenchon, da esquerda, e Le Pen, da direita: triunfo inesperado – Bertrand Guay/AFP; Denis Charlet/AFP

Para suavizar o impacto da inflação de 5,1% no bolso, alta para os padrões franceses e o maior torpedo a minar sua popularidade, o presidente oferece uma espécie de Bolsa Família de 100 euros e suspensão temporária de alguns impostos sobre gás e eletricidade, enquanto Le Pen, transformada em feroz guardiã dos gastos públicos, acena com um acordo paralelo com a Rússia e a reabertura de seus gasodutos e oleodutos para a França. A deputada, diga-se, é admiradora de Vladimir Putin, a quem deve favores: um banco russo socorreu seu partido com um empréstimo de 9 milhões de euros em momento de necessidade. A se julgar pelo que prometeram em campanha, nem o Reagrupamento nem a Nupes vão dar sossego a Macron no novo Parlamento. Em princípio, os republicanos também não. “Somos muito claros: fazemos oposição a Macron e assim permaneceremos”, bradou o atual líder, Christian Jacob. Mas nesse caso prevê-se que o pragmatismo fale mais alto.

Também está em jogo a conformação do governo. Além de ministras e líderes de bancada que não se elegeram e já foram avisados que serão trocados, a própria primeira-ministra, Élisabeth Borne, escolhida por tender para a esquerda e ter chance de agradar a esse eleitorado, deve sair agora que o bloco se consolidou como inimigo e sua utilidade murchou. Macron, arrogante promotor de medidas impostas de cima para baixo, tem pela frente um longo exercício de autocontemplação para rever suas atitudes e pôr ordem na casa. Os franceses, enquanto isso, descrentes de tudo (a abstenção foi de 53%), vão precisar conviver com o dilema nacional de pender para a direita mas não suportar os desatinos de Le Pen, desgostar da esquerda comandada pelo radical Mélenchon e, sem outra opção, optar pelo centro conduzido pelo universalmente antipático Macron. Convenhamos: não há joie de vivre que resista.

Publicado em VEJA de 29 de junho de 2022, edição nº 2795

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)