Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Tóquio e Pyongyang têm reunião para debater sequestros de japoneses

Entre 1977 e 1983, o regime comunista sequestrou dezessete cidadãos japoneses para participarem do treinamento de espiões norte-coreanos

Por Da Redação 22 out 2014, 06h50

O governo do Japão informou nesta quarta-feira que enviará uma delegação a Pyongyang no próximo dia 27 para discutir os avanços na investigação do sequestro de cidadãos japoneses realizados durante décadas pelo regime norte-coreano. A delegação será formada por dez membros e liderada pelo diretor para a Ásia da Chancelaria japonesa, Junichi Ihara, explicou em entrevista coletiva o porta-voz Yoshihide Suga.

Suga detalhou que o grupo se reunirá durante dois dias com representantes do governo norte-coreano. Pyongyang concordou em maio em estabelecer um Comitê de Investigação Especial para resolver o assunto. Em troca, o Japão decidiu suspender parte das sanções que mantinha há anos sobre o regime autoritário liderado pelo ditador Kim Jong-un. O objetivo da visita é saber com mais profundidade o estado em que está a investigação, já que a Coreia do Norte não apresentou seu relatório no início de outubro, como estava combinado.

Leia também

Coreia do Norte liberta um dos três americanos presos

Fundador da Coreia do Norte queria viver 100 anos. Não deu

Ditador da Coreia do Norte reaparece em público usando bengala

O governo do primeiro-ministro Shinzo Abe exige uma investigação minuciosa para resolver o tema dos sequestros de cidadãos japoneses realizados nos anos 70 e 80 pela Coreia do Norte para treinar seus espiões. O Japão afirma que entre 1977 e 1983 pelo menos dezessete japoneses (dos quais apenas cinco voltaram ao país) foram sequestrados pela Coreia do Norte para dar lições de cultura e idioma em seus programas de treinamento de espiões.

Em 2002 a Coreia do Norte admitiu treze sequestros, mas argumentou que, fora os cinco cidadãos que devolveu ao Japão, oito morreram e que quatro deles nunca chegaram a pisar em solo norte-coreano, versão que o governo japonês contesta pela ausência de provas que comprovem as alegações. O sequestro de cidadãos é a maior impedimento para o estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade