Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

França: tiroteio fecha a Avenida Champs-Élysées, em Paris

O atirador e um policial morreram no incidente, que acontece às vésperas da eleição presidencial

Por Da redação Atualizado em 20 abr 2017, 20h13 - Publicado em 20 abr 2017, 16h35

A Avenida Champs-Élysées, em Paris, foi fechada pelas autoridades locais após tiros serem disparados na área. Segundo o sindicato de policiais Unité SGP Police, um policial morreu e outros dois ficaram gravemente feridos. A polícia francesa confirmou que o atirador foi morto no incidente.

O porta-voz do Ministério do Interior, Pierre-Henry Brandet, disse que o homem saiu de um veículo e começou a atirar deliberadamente contra os policiais que estavam no local.

De acordo com as emissoras locais, o incidente aconteceu por volta das 21h30 do horário local (16h30 em Brasília). A prefeitura de Paris pediu que os cidadãos evitem a região por questões de segurança.

Champs-Élysées é uma das avenidas mais luxuosas e turísticas e fica localizada no coração da capital da França. Imagens do local mostram dezenas de viaturas policiais e veículos oficiais na avenida, que costuma ficar tomada por pedestres. Helicópteros também sobrevoam a região. 

Continua após a publicidade

Alerta pré-eleição

A França se encontra em estado de emergência permanente desde os atentados de 2015, mas a eleição presidencial deste domingo 23 aumentou a sensação de insegurança. Na terça-feira, a polícia prendeu dois homens, suspeitos de preparar um ataque “iminente”, em Marselha, no sul do país.

Clément Baur, de 23 anos, e Mahiedine Merabet, de 29 anos, são cidadãos franceses e, de acordo com o procurador-geral de Paris, François Molins, se preparavam para realizar uma “ação violenta em território francês, sem que possamos determinar com precisão o dia e os objetivos”.

Os dois homens eram vigiados pela polícia por radicalização e já haviam sido presos por outros delitos sem relação com o terrorismo, de acordo com uma fonte próxima às investigações.

No apartamento onde estavam estabelecidos em Marselha, a polícia apreendeu 3 quilos de explosivo, uma granada artesanal, várias armas de fogo, incluindo uma metralhadora, munição e uma bandeira do grupo Estado Islâmico (EI). Molins revelou que Mahiedine Merabet tentava entrar em contato com o EI para transmitir um “vídeo jurando lealdade ao grupo”.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)