Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Terremoto de 7,1 graus abala o México e deixa um morto

Tremor ativou o alerta sísmico na Cidade do México, onde milhares de pessoas deixaram suas casas e edifícios como medida de segurança

Por Julia Braun Atualizado em 8 set 2021, 12h08 - Publicado em 8 set 2021, 09h18

Um terremoto de 7,1 graus de magnitude com um epicentro muito próximo ao balneário de Acapulco abalou o centro e o sul do México na terça-feira 7. Segundo as autoridades locais, o tremor deixou uma pessoa morta.

O tremor ocorreu às 20h47 (local, 22h47 de Brasília), 11 quilômetros a sudoeste de Acapulco, no estado de Guerrero, de acordo com o Serviço Sismológico Nacional. O Centro de Alerta contra Tsunamis da Marinha informou que não é esperado um tsunami na região costeira.

Segundo o governador de Guerrero, Héctor Astudillo, o terremoto foi sentido muito fortemente e as pessoas estão bastante alarmadas. O político afirmou ainda que uma morte foi registrada na cidade de Coyuca de Benitez, depois que uma pessoa foi atingida por um poste que caiu com o tremor.

Cidade do México em alerta

O terremoto ativou o alerta sísmico na Cidade do México, onde milhares de pessoas deixaram suas casas e edifícios como medida de segurança e prevenção. Houve quedas de energia elétrica em vários bairros.

“O Secretário de Segurança Cidadã (Omar García Harfuch) está sobrevoando (a cidade). Até agora não foi relatado nenhum dano grave. Continuaremos reportando”, anunciou a chefe de governo da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, em uma mensagem no Twitter.

Continua após a publicidade

Mais tarde, García Harfuch relatou haver falhas na distribuição de energia elétrica em algumas partes da cidade, mas o serviço de metrô está operando normalmente. Vídeos nas redes sociais mostram prédios balançando durante o tremor.

O terremoto ocorreu na mesma data em que há quatro anos – em 7 de setembro de 2017 – foi registrado um terremoto de magnitude 8,2, que teve seu epicentro no Golfo de Tehuantepec e afetou principalmente os estados de Oaxaca e Chiapas. Ao todo, 98 pessoas morreram na ocasião.

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade