Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Sobe para 5 o número de mortos pela chuva em Minas Gerais

Por Da Redação - 3 jan 2012, 11h34

Rio de Janeiro, 3 jan (EFE).- A morte de um taxista, atingido por um deslizamento de terra, elevou para cinco o número de vítimas fatais das chuvas que castigam o estado de Minas Gerais, onde 52 municípios estão em situação de emergência.

Segundo a Defesa Civil, esta última morte ocorreu na madrugada desta terça-feira, em Ouro Preto. Isso porque, um taxista, que estava dormindo dentro de seu veículo em um ponto de táxi, acabou sendo soterrado por uma avalanche de toneladas de terra, pedras e lodo.

Na última segunda-feira, outras duas pessoas morreram soterradas pelos deslizamentos de terras, enquanto as duas vítimas restantes morreram em consequência dos desastres provocados pelas fortes chuvas do final mês de dezembro.

Além das cinco vítimas, a Defesa Civil ainda procura o corpo de uma senhora, que foi arrastada pelas enchentes que atingiram Minas Gerais há quatro dias.

Publicidade

De acordo com o último boletim da Defesa Civil, 404 pessoas perderam suas residências e outras 9.365 foram removidas de suas casas por conta da ameaça de novos deslizamentos. Entre as cidades mais afetadas aparecem: Itabirito e Brumadinho, ambas na região metropolitana de Belo Horizonte.

Na última segunda-feira, as autoridades do Rio de Janeiro, que também segue castigado pela intensidade das chuvas, removeram os habitantes de áreas de risco no município de Nova Friburgo, onde aproximadamente 300 pessoas foram encaminhadas para escolas e ginásios públicos.

Desde o último domingo, a principal cidade da chamada região serrana do Rio de Janeiro está em estado de alerta pelas chuvas.

Apesar das inundações e alguns deslizamentos, nenhuma vítima foi registrada até o momento no município. Apesar de o tempo ter melhorado nesta terça-feira, Nova Friburgo segue em estado de emergência.

Publicidade

Em janeiro de 2011, a região serrana do Rio de Janeiro, que inclui os municípios de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, enfrentou o que foi considerado como a maior tragédia natural da história do Brasil, a qual resultou na morte de mais de mil pessoas devido às fortes chuvas. EFE

Publicidade