Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Sem pátria, sem lar

Um acordo quis promover a volta dos refugiados rohingyas, minoria perseguida e massacrada em Mianmar. Mas esse drama humanitário está bem longe do fim

Por Maria Clara Vieira 23 nov 2018, 07h00

Quatro caminhões e três ônibus estacionaram na quinta-feira 15 no imenso campo de refugiados instalado em Bangladesh, próximo à fronteira com Mianmar (a antiga Birmânia). O propósito era transportar de volta para casa 150 integrantes da minoria muçulmana rohingya, a primeira leva de 2 000 “aprovados” pelo governo birmanês para retornar ao país desde a fuga em massa no ano passado. Os veículos esperaram à toa — nem um único refugiado apareceu para embarcar. Pelo contrário, quase todos os convocados sumiram do campo, escondendo-se em outros acampamentos e nas florestas próximas. “Eles não querem retornar”, admitiu no fim do dia Mohammad Abul Kalam, encarregado da questão dos refugiados em Bangladesh. Motivo da recusa: medo.

Bangladesh acomoda hoje mais de 700 000 rohingyas, do 1 milhão que vivia no norte do Estado de Rakhine, em Mianmar, até meados do ano passado. Um incidente em agosto, em que rebeldes muçulmanos atacaram postos de fronteira e mataram doze soldados birmaneses, elevou a temperatura de um conflito à beira da explosão e desencadeou um morticínio. Durante semanas, tropas militares e grupos de civis armados, recrutados entre a metade budista do estado, mataram milhares com tiros, facadas e em fogueiras em que os queimavam vivos, estupraram mulheres em bando, espancaram crianças e incendiaram vilarejos. Não há contagem segura de vítimas — a ONG Médicos sem Fronteira fala em quase 7 000. As Nações Unidas denunciaram o ocorrido como “limpeza étnica” e pediram o fim dos ataques. Os militares birmaneses alegaram que perseguiam “terroristas” e foram em frente. Há três meses, uma missão da ONU enviada para apurar os fatos qualificou a matança de “genocídio”.

Os rohingyas em fuga cruzaram a fronteira mais próxima, de Bangladesh, e lá permanecem até hoje, sem contar com muita boa vontade. Os campos situam-se em locais sujeitos a inundações e deslizamentos nas épocas de chuva. Há relatos de agentes circulando entre os refugiados e ameaçando cortar comida e restringir a circulação se eles não forem embora. A tentativa de retorno foi resultado de um acordo firmado entre os dois governos — “uma abordagem deficiente e de visão curta da crise humanitária”, segundo definiu a VEJA a professora de ciência política Engy Abdelkader, da Universidade Rutgers, de Nova Jersey. Pelo acordo, Mianmar compromete-se a instalar os rohingyas em casas “construídas para eles” (não as originais) desde que aceitem usar documentação de estrangeiros — condição inaceitável. Hoje apátridas, os rohingyas têm como uma das principais reivindicações ser incluídos na Lei de Cidadania, de 1982, que reconhece como birmaneses 135 grupos étnicos, mas não o deles.

Há registros da existência de uma comunidade islâmica no que é hoje Mianmar desde o século XV. Mas, para se fortalecer, o regime militar que comandou o país por cinco décadas insuflou uma rivalidade histórica entre esses muçulmanos e a maioria budista (88% da população). Oficialmente, os rohingyas (termo proibido no país) são “bengalis”, ou seja, originários de Bangladesh, e portanto não têm direito à cidadania e aos benefícios dos birmaneses. No domingo 18, o comissário para refugiados Mohammad Kalam, de Bangladesh, informou que a operação de retorno da minoria muçulmana para Mianmar foi adiada para 2019. Ou seja, tudo continua na mesma.

Publicado em VEJA de 28 de novembro de 2018, edição nº 2610

Continua após a publicidade
Publicidade