Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sem convite da Casa Branca, Orbán visita EUA para encontro com Trump

Premiê húngaro lidera uma das 'democracias iliberais' da Europa, tem laços próximos com a Rússia e é desafeto do governo Biden

Por Da Redação
Atualizado em 8 Maio 2024, 12h34 - Publicado em 7 mar 2024, 15h28

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, aterrissará nos Estados Unidos nesta quinta-feira, 7, mas sem convite da Casa Branca. Aliado da Rússia e da China, o líder de uma das democracias “iliberais” da Europa vai participar de um painel com o líder da Heritage Foundation, um think tank conservador, em Washington. Por lá, não participará de nenhuma reunião com representantes do governo de Joe Biden, mas, nesta sexta-feira, viajará à Flórida, onde se encontrará com o ex-presidente Donald Trump.

Em fevereiro, Orbán confessou que espera que “Biden vá embora e que Trump regresse e tenha mãos livres para fazer a paz [na Ucrânia]” — declaração que não gera espanto, devido às suas críticas ao democrata e ao endosso inflexível à candidatura do republicano, mesmo com uma série de enroscos judiciais. Acredita-se que a reunião desta sexta-feira tratará sobre pontos de interesse do Kremlin, incluindo Kiev no pacote de temáticas.

+ E se ele voltar? Como eventual vitória de Trump pode chacoalhar o mundo

Em defesa da Rússia

Para convencer o candidato americano, o premiê húngaro não enfrentará resistência. Ainda no último mês, Trump “encorajou” o presidente da Rússia, Vladimir Putin, a invadir países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que não cumprissem as obrigações financeiras com a principal aliança militar ocidental. A troca de incentivos parece ser mútua. Em setembro do ano passado, o líder russo afirmou que Trump é alvo de “perseguição política”, de forma a mostrar a “podridão do sistema político americano, que não pode fingir que ensina democracia aos outros”.

Continua após a publicidade

Em meio à deterioração das relações Biden-Orbán, a equipe húngara investiu maciçamente no cultivo de relações com parte dos conservadores americanos, tendo contratado consultores para ajudar a melhorar a sua imagem nos últimos anos. O negócio parece ter valido a pena. No ano passado, o primeiro-ministro recebeu americanos no seu gabinete, que viajaram para a Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) no país.

Orbán, há dez anos definido pelo falecido republicano John McCain como “um ditador neofascista”, também mantém laços com o Kremlin, acusando a Otan e a União Europeia (UE) de incentivarem a guerra na Ucrânia. Ele aposta, então, que a mudança de comando nos EUA seja um caminho para a aproximação das relações diplomáticas entre Washington e Bruxelas.

“No final do ano, o cenário político global parecerá muito diferente do que era no início deste ano e, com a ajuda de Deus, a margem de manobra da Hungria não será reduzida, mas será expandida a tal ponto que não vemos há muito tempo”, discursou Orbán, em janeiro. “Não podemos interferir nas eleições de outros países, mas gostaríamos muito de ver o presidente Donald Trump regressar à Casa Branca e fazer a paz aqui na metade oriental da Europa.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.