Clique e assine a partir de 9,90/mês

Presidente do Chile anuncia que vai à posse de Bolsonaro

Sebastián Piñera foi primeiro líder internacional a confirmar presença oficialmente; presidente eleito do Brasil já anunciou viagem à Santiago

Por Da Redação - Atualizado em 30 Oct 2018, 15h14 - Publicado em 30 Oct 2018, 09h19

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou nesta segunda-feira que comparecerá, em 1º de janeiro, à posse de Jair Bolsonaro como novo presidente do Brasil. O sul-americano foi o primeiro líder internacional a confirmar presença oficialmente.

Em Santiago, Piñera também confirmou a jornalistas que o Chile será o primeiro país a ser visitado pelo novo presidente do Brasil.

O governante telefonou para Bolsonaro nesta segunda para reiterar os cumprimentos pela vitória de domingo no segundo turno das eleições e o convite para que ele visite o Chile, feito primeiramente pelas redes sociais.

O chileno também propôs a Bolsonaro que trabalhem unidos, “com vontade, força e visão de futuro a favor do bem-estar de nossos povos e da integração”.

Continua após a publicidade

Na conversa de cinco minutos por telefone, foram abordados temas como o chamado Corredor Bioceânico e o tratado de livre comércio assinado há poucos dias pelos dois países.

O Corredor é um projeto de ligação por meio de ferrovias e rodovias dos países do Mercosul e o Chile, destinado a incrementar as comunicações entre os países da região.

“Eu o parabenizei por um ato democrático da sociedade brasileira que foi impecável, pela grande vitória nas eleições e também conversamos sobre temas que interessam aos dois países, e ele confirmou que visitará o Chile”, ressaltou Piñera.

Em Brasília, mais cedo, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), cotado para ser ministro da Casa Civil, também disse que o Chile será o primeiro país visitado por Bolsonaro depois da posse do capitão.

Continua após a publicidade

O chileno foi enfático em seu apoio a Bolsonaro durante a campanha eleitoral. A proximidade entre Paulo Guedes, futuro ministro da Fazenda do governo do capitão, e Piñera também auxiliou nos contatos. O presidente chileno e Guedes estudaram juntos nos Estados Unidos.

A decisão de Bolsonaro de escolher o Chile como o primeiro destino de seu governo contraria a tradição brasileira, já que os últimos presidentes eleitos escolheram a Argentina, país com o qual o Brasil está ligado pelo Mercosul e com o qual mantém intensa vinculação produtiva, como primeiro destino internacional.

(Com EFE)

Publicidade