Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Presidente da Argélia desiste de concorrer à reeleição após protestos

Abdelaziz Bouteflika adiou as eleições previstas para abril e não marcou nova data; crise também levou à renúncia do primeiro-ministro

Por Da Redação Atualizado em 11 mar 2019, 17h35 - Publicado em 11 mar 2019, 17h24

O presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika, anunciou nesta segunda-feira, 11, que não se candidatará a um quinto mandato, depois de ter enfrentado semanas de intensos protestos no país. O líder, contudo, decretou o adiamento das eleições presidenciais previstas para 18 de abril e a abertura de um período de transição que permita escolher seu substituto nas urnas.

Bouteflika, de 82 anos, debilitado desde 2013 por causa de um derrame cerebral, enfrenta desde o mês passado milhares de manifestantes que se opõem a sua reeleição. O presidente ainda não anunciou uma nova data para a votação.

Também nesta segunda-feira, o primeiro-ministro argelino, Ahmed Ouyahia, anunciou sua renúncia. A decisão foi comunicada depois de Bouteflika determinar uma remodelação do seu gabinete, que será realizada em breve.

Ouyahia já foi substituído pelo ministro do Interior, Noureddine Bedoui, segundo a agência oficial de notícias do país, Argélia Press Service (APS). Bedoui será o encarregado de formar um novo governo. 

O agora ex-primeiro-ministro, de 66 anos, continua na posição de secretário-geral da Reagrupamento Nacional Democrática (RND), o segundo maior partido da Argélia. Ele foi um dos principais “canalizadores” do regime militar que controla o país desde a independência, em 1962.

Ouyahia foi internado hoje no Hospital Militar Ain Naadja, em Argel. Segundo a rede de televisão privada El Bilad TV, ele passa por problemas de saúde provocados pela “pressão sofrida durante os últimos dias”.

Continua após a publicidade

Em comunicado lido no principal telejornal noturno do país, Bouteflika anunciou que o processo de transição se dará por meio da convocação de uma conferência nacional “independente e inclusiva”, cujos detalhes não ofereceu, e da formação de um governo de união nacional que tutele todo o processo.

Instabilidade

As mobilizações na Argélia começaram  nos estádios de futebol e, em um princípio, estavam voltadas contra a possível candidatura de Bouteflika, de 82 anos, para seu quinto mandato nas eleições presidenciais de abril.

Os protestos chegaram às ruas do país em 22 de fevereiro, dias antes de o regime suspender a inauguração do novo aeroporto de Argel, que contaria com a presença do presidente.

Desde então, as mobilizações aumentaram a cada sexta-feira e passaram de um protesto contra o quinto mandato para um clamor popular de milhões de cidadãos contra a corrupção de um regime dominado pelo Exército e pelo serviço secreto desde a independência do país da França em 1962.

A pressão nas ruas foi mantida diariamente pelos estudantes – uma ação que o regime tentou reduzir antecipando em dez dias as férias universitárias, que começaram no domingo 10 em todo o país.

Na presidência desde 1999, Bouteflika sofreu em 2013 um “derrame cerebral” que prejudicou suas faculdades físicas e que o impediu de fazer campanha nas eleições presidenciais do ano seguinte. Ainda assim, venceu o pleito.

Desde então, Bouteflika não fala em público, se locomove em uma cadeira de rodas empurrada por seu irmão Said, e suas aparições públicas são raras. Até mesmo as suas imagens gravadas pela emissora estatal de televisão foram reduzidas à reunião do Conselho de Ministros e às visitas de governantes estrangeiros.

Há cinco anos o presidente argelino não viaja para compromissos no exterior. Nos dois últimos, ele  cancelou de última hora, por “recaídas de saúde”, reuniões já confirmadas com nomes importantes da política mundial como a chanceler alemã Angela Merkel e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamad bin Salman. Em 2006, em pleno vigor, ele recebeu a visita oficial do então presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)