Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Por que os italianos falam com as mãos?

Os italianos foram os responsáveis por criar popularizar gestos que hoje são universais, como o "dedo do meio" para ofender alguém, e o tchau para se despedir

Por Da Redação
27 fev 2016, 11h19

Um dos costumes mais marcantes – e estereotipados – dos italianos é o ato de “falar com as mãos”. Na Itália, os gestos não são apenas parte da comunicação, como também viraram uma característica que individualiza o povo e que foi repassada para outras nacionalidades, como a brasileira, graças à imigração italiana entre os anos 1880 e 1930. Em entrevista à agência ANSA, o especialista em linguagem corporal Paulo Sérgio de Camargo afirmou que não há uma explicação científica comprovada para tal fenômeno, mas que uma das teorias é que “os italianos tendem a ser mais extrovertidos, mais comunicativos, e pessoas assim fazem mais gestos, falam mais com as mãos e com o corpo”.

Outra possibilidade seria a de que, durante o Império Romano, aqueles que assistiam aos discursos dos grandes oradores da época passavam a imitá-los. Existe ainda a teoria que diz que a península itálica, por estar em um ponto estratégico no Mar Mediterrâneo, foi palco de invasões durante toda a história, misturando povos e criando sinais para a comunicação. “Com pessoas de origens e línguas tão diversas, a comunicação acontecia por meio de gestos”, disse a diretora da Escola Aliança Cultural Italiana, Rosana Labatte, ressaltando que a tradição acabou perdurando até hoje. Este costume também passou para os brasileiros, que, com a profunda influência italiana, tornou-se um dos povos a utilizar os gestos, enquanto em muitas outras culturas o contato manual é visto como falta de educação.

Leia também

Saiba como conseguir a cidadania italiana no Brasil

Continua após a publicidade

Senado da Itália aprova projeto que legaliza união civil entre homossexuais

Mulher pode ser presa por não cumprir tarefas domésticas na Itália

“Quem utiliza as mãos são os brasileiros e os italianos, povos mais carismáticos, que demonstram alegria. A origem da nossa linguagem corporal e do nosso modo de falar é italiana”, afirmou o especialista e dono do Instituto de Micro Expressões Faciais e Linguagem Corporal, Marcos Roberto. De acordo com a italiana Angela Angoretto, que vive no Brasil há mais de 20 anos, “o ato de falar com as mãos não é consciente, é involuntário, quase uma característica genética de um povo que deseja se comunicar sem se preocupar com censura social”.

Continua após a publicidade

“Dedo do meio” – Alguns gestos que nasceram na Itália se universalizaram pelo mundo, como é o caso do famoso “dedo do meio”, que ficou popular nos Estados Unidos após o jogador de beisebol italiano Charles Radbourn tirar uma foto fazendo o sinal em 1986. O Imperador Calígula, que regeu Roma do ano 37 ao 41 d.C., quando foi assassinado, costumava colocar um anel no dedo médio e fazer seus súditos beijarem-no como forma de humilhação, o que atribuiu o significado pejorativo ao gesto.

Outros gestos típicos italianos são o ato de balançar a mão ao dar tchau a uma pessoa; bater a mão contra o estômago quando está com fome; fechar a mão com o polegar estendido em direção à boca para convidar alguém para beber; e um dos mais conhecidos, que é fechar a mão e movimentá-la com os dedos unidos para demonstrar insatisfação.

(Com ANSA)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.