Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Peru proíbe a entrada de Maduro e integrantes do governo venezuelano

A decisão ocorre às vésperas de o presidente venezuelano assumir seu 3º mandato, cuja reeleição não é reconhecida por Lima

Por Da Redação Atualizado em 8 jan 2019, 16h24 - Publicado em 8 jan 2019, 15h36

O ministro das Relações Exteriores do Peru, Nestor Popolizio, anunciou que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, integrantes do governo do país e suas famílias estarão proibidos de entrar em território peruano.

A decisão ocorre às vésperas de Maduro assumir o terceiro mandato presidencial, cuja reeleição não é reconhecida pelo Peru e por mais catorze países da região, inclusive o Brasil. Entre os membros da Grupo de Lima, apenas o México se recusou a aceitar tais termos.

O texto, assinado pelo grupo, condenou firmemente a “ruptura da ordem constitucional e do Estado de Direito na Venezuela” e ressaltou que a solução para a crise política do país dependerá exclusivamente dos venezuelanos.

O chanceler peruano informou que a medida de proibir a entrada de Maduro faz parte dos acordos adotados em conjuntos com outros países. O gesto seria mais uma forma de exercer pressão internacional para condenar a crise democrática e humanitária na Venezuela.

Continua após a publicidade

“O [governo do] Peru vai enviar uma comunicação para o superintendente de imigração com uma lista de todos os nomes ligados ao regime Maduro, incluindo membros da família, informando que não podem entrar no país”, disse Nestor Popolizio.

O chanceler lembrou que, no caso da Venezuela, não é necessário um visto para entrar no território peruano, mas o governo peruano tem a prerrogativa de impor restrições de natureza migratória. “O que queremos é exercer pressão direta sobre o regime de Maduro, sobre o governo principal para permitir que eles voltem à democracia”, disse o ministro.

Acrescentou esse tipo de medida gera o isolamento do governo de Maduro, “cujas decisões antidemocráticas causaram uma crise interna naquele país”.

Popolizio observou que o Grupo Lima não reconhece o novo mandato presidencial de Maduro, que começará em 10 de janeiro, e confirmou que o Peru não comparecerá à cerimônia de posse. Criado em 2017 em meio à onda de protestos contra Maduro, o grupo é integrado por Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Guiana e Santa Lúcia.

(Com Agência Brasil)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês