Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

ONU: situação de índios venezuelanos no Brasil é “trágica”

Filippo Grandi, da Acnur, alerta para dificuldade de integração e situação precária de vida dos indígenas

Por Da Redação Atualizado em 3 set 2019, 20h56 - Publicado em 3 set 2019, 20h36

Os indígenas venezuelanos que migram para o Brasil enfrentam um desafio adicional: estão excluídos do mecanismo de transferência de refugiados para outras cidades. Com menos oportunidades de inserção, centenas deles permanecem em abrigos no estado de Roraima, especialmente, e sem perspectivas.

“É bastante trágico”, afirmou o alto comissário Filippo Grandi, da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Grandi visitou em agosto os estados de Roraima e Amazonas, que abrigam o maior número de imigrantes venezuelanos. Antes abordou, entre outros temas, a questão indígena com ministros do governo de Jair Bolsonaro, em Brasília, entre os quais o chanceler Ernesto Araújo.

“Houve muito debate. Visitei o abrigo de indígenas em Boa Vista. Entristeceu-me porque está claro que eles não fazem parte do processo de interiorização. Eles têm menos oportunidades que os outros [refugiados] de serem incluídos econômica e socialmente (no Brasil), disse Grandi.

Centenas de indígenas venezuelanos, principalmente os waraos, chegaram ao Brasil desde 2016, quando se agravou a crise econômica no país governado por Nicolás Maduro.

Os waraos, a segunda maior população indígena da Venezuela, tiveram de percorrer mais de 800 km do norte do país até a fronteira com o Brasil. Desnutrição e uma alta taxa de contaminação do vírus da Aids complicam sua situação deles

Indígenas pemones e panares, do Sul da Venezuela, também começaram a chegar ao Brasil. Tradicionalmente vulneráveis em seu próprio país, no território brasileiro esses indígenas enfrentam outros desafios, como a dificuldade de se comunicar, já que não falam português. A única alternativa deles, além dos abrigos, é a venda de artesanato ou a mendicância nas ruas.

A integração destes indígenas é algo “bastante complicado”, admite o diplomata.

Continua após a publicidade

Dois abrigos para indígenas em Roraima têm 1.025 pessoas, de diversas etnias. Outros dois no Amazonas acolhem 754 waraos. Mas dezenas dormem nas ruas e passam a ocupar espaços públicos de cidades do estado vizinho do Pará.

“Fiz um apelo ao governo [brasileiro] para que este caso seja examinado muito cuidadosamente, para que se criem algumas oportunidades para os indígenas venezuelanos”, afirmou Grandi. “Acredito que se devam fazer alguns esforços para garantir que tenham acesso aos serviços públicos, que as crianças possam ir à escola e que os adultos tenham trabalho. É um dos assuntos mais complicados que vi em Manaus e em Boa Vista”, completou.

Migração crescente

A situação das populações indígenas não é o único desafio. Os venezuelanos continuam chegando ao Brasil. A operação criada pelo governo e liderada pelos militares informou que em agosto, em média, 758 venezuelanos cruzaram a fronteira a cada dia, superando os 500 do mês precedente.

“Estou preocupado porque não vejo solução política próxima, e isto significa que esta gente continuará sofrendo”, destacou Grandi.

A ONU avalia que 4,3 milhões de venezuelanos – 14% da população – abandonaram seu país nos últimos anos. Como mencionou Grandi, como forma de comparação, há 5,6 milhões de refugiados sírios” da guerra civil. No Brasil, há cerca de 168.000 venezuelanos. Trata-se do quinto país da região em número de imigrantes da Venezuela.

Os problemas econômicos e sociais da região de fronteira começam a aumentar, com a presença dos venezuelanos. “Me preocupa muito que, sem um apoio internacional de peso, o clima se torne mais pesado para os venezuelanos na região”.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)