Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

ONU vota resolução contra mudança de embaixada dos EUA em Israel

Projeto de resolução proposto pelo Egito não cita Estados Unidos, mas afirma que transferência de embaixada para Jerusalém é ilegítima e deve ser revogada

O Conselho de Segurança da ONU votará nesta segunda-feira o projeto de resolução que rejeita a decisão do presidente americano, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, informaram fontes diplomáticas.

O texto de uma página redigido pelo Egito não faz menção aos Estados Unidos, mas pontua que “toda decisão ou ação destinada a alterar o caráter, o estatuto, ou a composição demográfica” de Jerusalém “não tem força legal, é nula e não legítima e tem que ser revogada”. Além disso, defende que o status de Jerusalém “tem que se resolver pela negociação”.

O projeto tem amplo apoio dos países, porém é esperado que os Estados Unidos vetem a resolução. Para passar, são necessários no mínimo 9 dos 15 votos e nenhum veto dos países permanentes do Conselho de Segurança: Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido.

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, saudou a decisão do país de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e afirmou que foi “a coisa certa a se fazer”. O embaixador de Israel na ONU, Danny Danon, afirmou que “nenhum voto ou debate irá mudar a realidade”.

Israel tomou o controle da parte oriental da cidade durante a Guerra Seis Dias, em 1967, e vê toda Jerusalém como sua capital, enquanto os palestinos querem a parte ocidental como capital em um Estado futuro.

Várias resoluções da ONU pedem para Israel se retirar do território apropriado em 1967 e reafirmam a necessidade de interromper a ocupação dessas terras.

O anúncio de Donald Trump do dia 6 de novembro causou diversos protestos no Oriente Médio, onde nove palestinos já morreram e mais de 1.900 ficaram feridos, informou a rede Al Jazeera. A comunidade internacional também condenou a decisão.

(Com AFP e Reuters)