Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Netanyahu pede que países ameacem Irã com sanções militares

Premiê israelense disse não acreditar em nenhum outro meio para conter programa nuclear. Reunião entre Irã e outros seis países termina sem resultados

Por Da Redação 27 fev 2013, 19h14

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, pediu à comunidade internacional nesta quarta-feira que ameace o Irã com sanções militares, por considerar que as medidas de restrições econômicas impostas até o momento não estão sendo capazes de conter o avanço do programa nuclear de Teerã.

“Acredito que cabe à comunidade internacional intensificar as sanções e esclarecer que, se o Irã continuar seu programa, haverá sanções militares”, disse Netanyahu, sem especificar quais medidas deveriam ser adotadas. “Eu não acho que há qualquer outro meio de fazer o Irã atender às demandas da comunidade internacional”.

As declarações de Netanyahu vieram como reação aos dois dias de negociações entre representantes de Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e China (membros do Conselho de Segurança da ONU com direito a voto), Alemanha e Irã. O encontro ocorreu na cidade cazaque de Almaty.

Leia também:

Israel está pronto para um ataque ao Irã, diz Netanyahu

Negociações – A reunião foi encerrada sem avanços concretos. O Irã e os demais países apenas concordaram em voltar a discutir o assunto. Em um comunicado, o Irã informou que novas negociações serão realizadas em Istambul, na Turquia, em 18 de março, e que outra rodada de negociações ocorrerá entre 5 e 6 de abril.

Continua após a publicidade

O secretário do Conselho de Segurança Nacional iraniano, Saeed Jalili, afirmou nesta quarta-feira que o Irã não fechará a usina subterrânea de enriquecimento de urânio de Fordo, como exigem os seis países que negociam a questão com Teerã.

Saiba mais:

Prioridade é impedir Irã nuclear, diz Netanyahu após eleição

Em visita à França, o secretário de Estado americano, John Kerry, afirmou que os Estados Unidos estão abertos para uma negociação bilateral com o governo iraniano. “O Irã sabe o que é preciso ser feito, o presidente deixou clara sua determinação de implementar sua política de que o Irã não terá armas nucleares”.

Enquanto o Irã afirma que seu programa nuclear tem finalidade pacífica, Israel, Estados Unidos e países da Europa temem que Teerã consiga enriquecer urânio no nível e quantidade necessários para a construção de armas atômicas. As Nações Unidas já ratificaram sanções que incluem a proibição do fornecimento de armamento pesado de tecnologia nuclear ao Irã, o bloqueio a exportações de armas pelo Irã e inspeções de cargas para detectar e impedir a aquisição de material ilícito pelo país.

(Com agências EFE e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade