Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Menino descobre tesouro viking do século X na Alemanha

Com a ajuda de um arqueólogo amador, garoto de 13 anos encontra artefato do rei dinamarquês Harald Blaatand; escavações posteriores revelam mais objetos

Por Da redação - Atualizado em 18 abr 2018, 16h55 - Publicado em 17 abr 2018, 15h16

Um menino de 13 anos e um arqueólogo amador descobriram um tesouro que pode ter pertencido ao rei dinamarquês Harald Blaatand, ou Haroldo “Dente-Azul”, anunciaram autoridades alemãs na segunda-feira. Os artefatos datam mais de 1.000 anos e foram encontrados pela dupla em janeiro, na ilha de Rügen, na Alemanha. Por causa da descoberta, pesquisadores profissionais fizeram outras escavações no local e encontraram diversos objetos vikings enterrados.

Tesouro Viking
Arqueólogo mostra primeira moeda independente da Dinamarca após escavação em Schaprode, Alemanha Stefan Sauer/AFP

Haroldo “Dente-Azul” ficou conhecido por ser um líder unificador que introduziu o cristianismo na Dinamarca.

Segundo um comunicado do Escritório Regional de Arqueologia e Conservação de Monumentos de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, foram recuperadas mais de 600 peças de prata do século X, entre as quais há até 100 moedas cunhadas pelo rei dinamarquês.

O arqueólogo amador René Schön e o estudante Luca Malaschnitchenko descobriram uma peça em janeiro graças a um detector de metais em um campo perto da cidade de Schaprode, na ilha de Rügen, no Mar Báltico. As autoridades locais decidiram, então, realizar a escavação no local em 14 e 15 de abril.

Publicidade

 

Tesouro Viking
Vista aérea dos arqueólogos procurando tesouros em Schaprode, Alemanha Stefan Sauer/AFP

As peças mais recentes são de 980, o que sugere que esse tesouro poderia ter sido escondido por pessoas próximas a Haroldo I. Depois de perdir uma batalha contra seu próprio filho em 986, o líder fugiu para a Pomerânia, onde morreu um ano mais tarde, de acordo com a literatura do século X.

Haroldo “Dente-Azul” é uma figura importante para a história nórdica. A tecnologia de comunicação “Bluetooth” foi batizada em sua homenagem.

(Com AFP e EFE)

Publicidade