Clique e assine a partir de 9,90/mês

Marcha de supremacistas brancos gera violência em cidade dos EUA

Protesto de manifestantes de direita dá origem a confrontos em Charlotesville, cidade da Virginia, que decretou estado de emergência para conter os tumultos

Por Da Redação - Atualizado em 12 Aug 2017, 14h14 - Publicado em 12 Aug 2017, 14h12

O governador da Virgínia (EUA), o democrata Terry McAuliffe, declarou neste sábado estado de emergência para “ajudar na resposta do poder público” à onda de violência iniciada na noite de sexta-feira na cidade de Charlottesville por causa de uma manifestação de supremacistas brancos e outros militantes nacionalistas de direita contra a retirada de uma estátua do general Robert E. Lee, líder dos confederados na Guerra Civil americana.

Na noite de sexta-feira, na Universidade da Virginia, manifestantes racistas, carregando tochas, gritavam slogans como “os judeus não irão tomar nosso lugar” e “vidas brancas importam” – esta última uma referência ao movimento negro Black Lives Matter, contra a violência policial. A manifestação gerou confrontos com estudantes durante a madrugada. Alguns militantes carregavam símbolos nazistas e ofendiam negros, judeus e gays.

Na manhã deste sábado, mesmo após o governo local declarar ilegal o protesto, os supremacistas brancos decidiram realizar uma marcha chamada “Unite Right” (“Unir a direita”), o que ampliou ainda mais os confrontos com grupos rivais, agora com paus, barras de ferro, socos e pontapés. Brigas se espalharam pelas ruas de Charlottesville. Há feridos, mas nenhum número oficial foi divulgado ainda.

Supremacistas brancos se reúnem na Universidade da Virgínia, em Charlottesville , para protestar contra a remoção da estátua do general confederado Robert E. Lee – 11/08/2017 Alejandro Alvarez/News2Share/Reuters

O principal palco do confronto é o local que abriga a estátua, o Emancipation Park, que antes se chamava Robert E. Lee e teve o nome alterado – a polícia, com megafones, pediu aos frequentadores que evacuassem o local.  Mais de mil policiais foram deslocados para conter os confrontos. Segundo a polícia, a marcha, prevista para esta tarde, deve reunir até 6.000 pessoas, incluindo membros da Ku Klux Klan, histórico grupo racista dos EUA.

Continua após a publicidade

Cidade progressista

Charlottesville, onde nasceu um dos pais da democracia americana, Thomas Jefferson, é conhecida como uma cidade progressista. Com cerca de 50 mil habitantes, em torno de 80% dos eleitores votaram na democrata Hillary Clinton na disputa contra o republicano Donald Trump pela presidência do país no ano passado.

Os movimentos de direita na cidade, no entanto, têm crescido nos últimos meses, por conta de indignação com a suposta intenção do governo local de remover símbolos dos confederados, como a estátua de Robert E. Lee.

militantes da extrema-direita
Manifestantes protestam contra supremacistas brancos, em Charlottesville, Virginia – 120/802017 Joshua Roberts/Reuters

O prefeito de Charlottesville, Mike Signer, divulgou uma nota na qual chama a marcha dos supremacistas de um “desfile covarde de ódio, fanatismo, racismo e intolerância”, que marcham pelos gramados do arquiteto da nossa Declaração de Direitos”, em referência a Thomas Jefferson.

“Todo mundo tem direito, sob a Primeira Emenda, de expressar sua opinião de forma pacífica, então aqui está a minha: não só como prefeito de Charlottesville, mas como membro e ex-aluno do corpo docente da Universidade da Virginia, estou incomodado com essa indicação pública de intimidação desautorizada e desprezível”, afirmou.

Continua após a publicidade

Jason Kessler, que organizou a “Unite the Right”, afirmou que não se considera um nacionalista branco, mas disse que “vamos começar a defender nossa história”. “A estátua em si é simbólica de muitas questões maiores. As três principais questões são a preservação da história contra essa censura e revisionismo – essa correção política -, o direito de os brancos também defenderem seus interesses e a liberdade de expressão”, disse à CNN. Segundo ele, a marcha visa respaldar os “grandes homens brancos que estão sendo difamados, caluniados e derrubados nos EUA”.

(Com agências)

Publicidade