Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Mar do Sul da China: presença militar dos EUA incomoda Pequim

USS Stethem, um destróier de mísseis guiados da Marinha americana, navegou a 12 milhas náuticas pela região

Por Da Redação - Atualizado em 3 jul 2017, 14h46 - Publicado em 3 jul 2017, 10h49

Um navio de guerra americano se aproximou no domingo de uma ilha no Mar do Sul da China alvo de disputa entre China, Taiwan e Vietnã, em uma operação que tem como objetivo desafiar as reivindicações concorrentes de todas as três nações.

O USS Stethem, um destróier de mísseis guiados, navegou a 12 milhas náuticas pela região. Essa foi a segunda “operação de liberdade de navegação” conduzida durante o governo do presidente Donald Trump, após um teste feito no final de maio no qual um navio de guerra norte-americano navegou uma distância parecida em torno de uma ilha artificial chinesa.

 

O Ministério de Relações Exteriores da China disse em comunicado que o navio dos Estados Unidos fez uma entrada não autorizada nas águas territoriais chinesas. A iniciativa dos EUA, na visão dos chineses, viola a soberania do país.

Publicidade

Pequim reagiu ao que classificou de “provocação militar e política” com envio de navios de batalha e aviões de caça.

Vários países consideram a região parte de seu território. Nos últimos anos, o Mar dos Sul da China vem sendo palco de uma silenciosa corrida armamentista.

(Com Reuters)

Publicidade