Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maduro rompe relações com os Estados Unidos

Líder venezuelano é desafiado por Washington, que reconheceu o oposicionista Juan Guaidó como presidente interino

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, rompeu relações com os Estados Unidos nesta quarta-feira, 23, depois do anúncio do reconhecimento ao líder oposicionista Juan Guaidó como presidente interino do país. A decisão de Washington foi replicada pelos governos do Brasil, Argentina, Colômbia, Chile, Peru, Equador, Canadá e pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

Até o momento, o líder bolivariano não anunciou a ruptura de relações com esses e outros países que venham a reconhecer Guaidó como presidente interino. O governo de Andrés Manuel López Obrador informou que o México continuará a reconhecer Nicolás Maduro como presidente legítimo do país.

“Aqui, ninguém se rende. Aqui, vamos ao combate”, afirmou Maduro, referindo-se ao anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Segundo o jornal La Nación, Maduro deu um prazo de 72 horas para os diplomatas e demais funcionários das representações americanas na Venezuela deixarem o país. Diante de sua plateia cativa, voltou a carga contra os Estados Unidos, acusando-o de realizar uma “operação para impor um governo de marionete na Venezuela”.

“Não queremos mais o intervencionismo do século XX”, declarou.

Maduro foi desafiado nesta quarta-feira por manifestações em todo o país em favor de sua renúncia e da redemocratização da Venezuela. Em Caracas, onde mais de 100.000 pessoas se mobilizaram, apesar da intimidação do forte aparato policial, Guaidó fez um juramento solene de posse em suas novas funções. Ele já havia se proclamado presidente interino no dia 11, com base no artigo 333 da Constituição.

“A este palácio presidencial, chegamos por meio do voto do povo”, declarou Maduro, eleito para o terceiro mandato em maio de 2018 em eleições fraudadas e nas quais a oposição teve ínfima participação.

Pouco depois do discurso de Guaidó, o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) pediu à Procuradoria venezuelana o início de processos legais contra a mesa da Assembleia nacional, que é presidida por Guaidó.

Maduro, a rigor, continua a governar o país porque ainda tem o apoio das Forças Armadas e da Guarda Nacional Bolivariana, além dos milicianos civis armados por seu governo. Ele também controla o TSJ e a Assembleia Constituinte, que tomou para si as atribuições da Assembleia Nacional. No plano externo, tem o apoio da China, Turquia e Rússia, de boa parte dos países africanos e dos bolivarianos Cuba, Nicarágua e Bolívia.

Como sinal de apoio da Assembleia Constituinte, seu primeiro vice-presidente, Diosdado Cabello, convocou os políticos e militantes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) para uma vigília na frente do Palácio de Miraflores.