Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maduro: ‘Bolsonaro é o Hitler dos tempos modernos’

Ditador venezuelano diz que prisão do presidente da Assembleia Nacional por seus agentes de inteligência foi ato midiático

Em claro sinal de aumento da tensão entre Caracas e Brasília, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou nesta segunda-feira, 14, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de “Hitler dos tempos modernos” e criticou as políticas econômicas liberais do novo governo do brasileiro. Maduro já havia, na semana passada, qualificado Bolsonaro como “fascista”.

“E aí temos o Brasil, nas mãos de um fascista. (…) Bolsonaro é o Hitler dos tempos modernos. Não tem coragem nem decisões próprias, é um fantoche”, disse Maduro em discurso no plenário da Assembleia Nacional Constituinte, controlada pelo chavismo.

Esta não foi a primeira vez que Bolsonaro foi comparado ao ditador alemão, responsável pela deflagração da II Guerra Mundial e do Holocausto de mais de 6 milhões de judeus. Durante a campanha eleitoral, o então candidato do PDT Ciro Gomes chamou seu rival do PSL de “hitlerzinho tropical” durante evento em 29 de agosto de 2018, em Brasília.

O presidente da Colômbia, Iván Duque, recebeu as qualificações de “demônio” e de “personificação do mal” do ditador venezuelano. Assim como o Brasil e a Colômbia, a própria Organização dos Estados Americanos (OEA) já declarou como ilegítimo este novo mandato de Maduro.

Maduro criticou a política de privatizações anunciada por Bolsonaro ao longo da campanha eleitoral e indicou que o povo brasileiro deverá se insurgir contra a medida. “O povo brasileiro se encarregará dele. Deixemos o tema Bolsonaro ao formoso povo brasileiro, que lutará e se encarregará dele.”

Desde 2016, o governo brasileiro abandonou seu apoio ao governo venezuelano e passou a pressioná-lo a retomar o curso democrática. O governo de Bolsonaro deu um passo além. Considerou claramente o regime de Maduro como uma ditadura e conseguiu imprimir esta visão a todo o Grupo de Lima, o mecanismo interamericano composto por 14 países para cobrar de Caracas a redemocratização e o cumprimento das regras do Estado de direito.

Na última sexta-feira 11, quando o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, declarou-se chefe de Estado interino da Venezuela até a eleição democrática de um novo presidente da Venezuela, o Itamaraty expressou o apoio do governo brasileiro. Em nota, afirmou ser a Assembleia Nacional um “órgão constitucional democraticamente eleito”.

Na véspera da posse de Maduro em seu terceiro mandato presidencial, na quinta-feira 10, o Grupo de Lima havia pedido que ele não inaugurasse o novo período de governo e passasse o poder à Assembleia Nacional. eleita democraticamente em 2017. O grupo havia também liberado seus membros para romper relações com a Venezuela e/ou adotar sanções contra as autoridades venezuelanas.

Em seu discurso desta segunda-feira, Maduro acusou Bolsonaro de receber “ordens dos Estados Unidos” para promover “provocações militares no sul da Venezuela”, perto da fronteira entre os dois países. Anteriormente, já havia dito que o Brasil, Colômbia e Estados Unidos armavam um complô para derrubá-lo do poder.

Show

Com argumentação improvável, Maduro qualificou como “show midiático” a prisão temporária de Juan Guaidó, no último domingo 13, atribuindo-a a políticos da oposição e à “cooperação corrupta e traidora de um grupo de funcionários” do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin). O objetivo, alegou, seria atacar o governo.

“Ah, que coincidência! Uma câmera perfeitamente apontada (…), profissional, que captura o momento em que o deputado (…) é retido em um ato estranho”, observou Maduro, durante a apresentação de seu relatório anual de trabalhos à governista Assembleia Constituinte.

Maduro disse que, depois de saber do ocorrido, ordenou que os quatro agentes da Sebin “fossem destituídos por se prestarem a um show midiático”.

“Agirei assim contra qualquer funcionário que traia o juramento público (…). Mão de ferro contra a corrupção! Mão de ferro contra a traição! Não hesitarei (…). De cada show, sairemos mais fortes”, advertiu.

Guaidó foi liberado uma hora depois de sua caminhonete ser interceptada por homens fortemente armados na rodovia Caracas-La Guaira e culpou o governo pela ação.

O presidente venezuelano acusou a oposição de realizar outro “show” no sábado passado, ao danificar, segundo ele, equipamentos de fornecimento de eletricidade e deixar sem luz o Hospital Universitário de Caracas durante várias horas.

Os apagões são frequentes no país e, segundo especialistas, se devem à falta de investimento em infraestrutura, à corrupção e à imperícia. O sindicato do setor de saúde fez a denúncia de que duas pessoas morreram e cerca de 100 foram desalojadas por causa do corte de energia.

“Foi um ataque terrorista planejado como um show pelos terroristas que hoje estão no comando da oposição venezuelana. Vamos enfrentá-los severamente e vamos derrotá-los. Terroristas!”, declarou o presidente.

(Com EFE e AFP)

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Vilnei Herbstrith

    Nossa… como a Abril está interessada em opiniões de ditadores sobre o presidente eleito democraticamente dos brasileiros. Será que é porque está antevendo que a verba de publicidade do governo federal vai sumir? Que interessa a opinião de um louco como este que faz seu povo sair do país em busca de água, comida, e uma forma humana de viver? Maduro está protegido pela Rússia? O Brasil tem o respaldo dos EUA. As bravatas dele são apenas para distrair a todos dos reais problemas da pobre Venezuela.

    Curtir