Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Líderes do G7 se reúnem para discutir vacina, impostos e clima

Este é o primeiro encontro das sete maiores economias do mundo de Joe Biden e o último de Angela Merkel, que deixará comando da Alemanha em setembro

Por Julia Braun 11 jun 2021, 12h57

Os líderes das sete maiores economias do mundo iniciaram nesta sexta-feira, 11, seu encontro anual do G7 na Inglaterra. A cúpula terá como temas principais a pandemia de Covid-19 e os avanços das vacinas contra a doença, as propostas de aumento de impostos contra grandes corporações e a luta contra a mudança climática.

Após quase dois anos sem uma reunião, os chefes de Estado e de Governo de Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido voltaram a se encontrar presencialmente, após a recepção do anfitrião, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, a cada um dos convidados em uma praia de Carbis Bay, sudoeste da Inglaterra.

O encontro deste ano do G7 marca a despedida da chanceler alemã Angela Merkel do cargo, às vésperas de sua aposentadoria em setembro. A reunião também é a primeira com a presença do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. O democrata afirmou que o momento marca o “retorno” dos EUA ao multilateralismo após os anos “isolacionistas” de Donald Trump.

Entre os assuntos mais importantes para o americano estão o meio ambiente e a proposta impulsionada por sua secretária do Tesouro, Janet Yellen, da criação de uma alíquota mínima comum mundial grandes empresas. Em uma reunião entre os ministros das Finanças na semana passada, as sete maiores economias já se comprometeram com a adoção de uma taxa de ao menos 15% e os países esperam agora ampliar a proposta para apresentá-la no encontro do G20, que será realizado em julho em Veneza.

No centro das conversas em Londres estará também uma distribuição mais equitativa das vacinas contra a Covid-19 por parte dos países ricos. Diante dos crescentes apelos por solidariedade, os líderes devem anunciar a distribuição de “pelo menos um bilhão de doses” – compartilhadas, ou financiadas – e o aumento da capacidade de produção, com o objetivo de “acabar com a pandemia em 2022”, segundo Downing Street.

O governo dos Estados Unidos já se comprometeu a doar 500 milhões de doses da vacina da Pfizer/BioNTech, e o Reino Unido, 100 milhões de doses excedentes, principalmente por meio do programa Covax.

O encontro começa nesta sexta e deve se estender até domingo, 13. No último dia acontecerão várias reuniões bilaterais, além de uma recepção com a rainha Elizabeth II e um churrasco na praia. Além dos representantes do G7, também estarão presentes nos eventos líderes europeus e de quatro países convidados: Índia, Coreia do Sul, Austrália e África do Sul.

Continua após a publicidade

Publicidade