Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Kerry chega ao Cairo na primeira escala de sua viagem pelo Oriente Médio

Trata-se da primeira reunião oficial entre Estados Unidos e Egito desde a destituição do presidente islamita Mohammed Mursi

Por Da Redação 3 nov 2013, 09h53

O secretário de Estado americano, John Kerry, chegou neste domingo ao Cairo para uma visita de algumas horas, na primeira viagem de um alto funcionário dos Estados Unidos ao Egito desde a destituição do presidente islamita Mohammed Mursi.

A viagem ao Cairo é a primeira escala dentro da viagem que levará Kerry nos próximos dias a oito países, entre eles Arábia Saudita, Israel e Jordânia.

Na sua visita, Kerry se reunirá com as autoridades egípcias para tratar das relações bilaterais e de assuntos como o conflito sírio e as negociações de paz entre israelenses e palestinos.

‘O presidente Barack Obama e o povo americano apoiam o povo egípcio”, disse Kerry em entrevista coletiva depois de se reunir com seu colega egípcio, Nabil Fahmi. “Trata-se de uma relação vital para nós, e estamos preparados para ajudar nessa tremenda transformação pela qual está passando este país.”

Segundo o chefe da diplomacia americana, seu governo está “decidido a apoiar e ajudar o governo interino atual”.

Continua após a publicidade

Kerry informou que o presidente provisório do Egito, Adly Mansour, escreveu recentemente uma carta a Obama, na qual lhe oferecia abrir um “diálogo estratégico” – algo que os Estados Unidos aceitaram.

Recentemente, os Estados Unidos congelaram parte da ajuda que prestavam ao Egito, principalmente no campo militar. Está prevista a suspensão de uma transferência de 260 milhões de dólares à vista e de outros 300 milhões de dólares em garantias de empréstimo, bem como a entrega de helicópteros Apache e caças F-16.

Kerry, no entanto, tratou de reduzir a importância do corte da ajuda econômica ao Egito, afirmando que a relação bilateral não deveria “definir-se pela assistência”. Ele prometeu que ainda haverá transferência de recursos nos campos da saúde, do investimento privado e da educação, com bolsas de estudos. Disse que os cortes militares não vão impactar programas de segurança fronteiriça e combate ao terrorismo.

Kerry condenou qualquer ato de violência no país, principalmente os atentados contra as forças de segurança, e ressaltou a importância de que se estabeleça brevemente no país um governo “civil, inclusivo e eleito democraticamente”, além de um novo regime constitucional.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês