Clique e assine com até 92% de desconto

Japonesa contrai coronavírus pela segunda vez

Primeiro-ministro pediu o fechamento provisório das escolas públicas do país a partir de segunda-feira

Por Da Redação Atualizado em 27 fev 2020, 10h00 - Publicado em 27 fev 2020, 09h50

Uma guia de ônibus turístico no Japão testou positivo para o coronavírus pela segunda vez, informou o governo de Osaka nesta quinta-feira, 27. A mulher se tornou a primeira pessoa do país a contrair a doença duas vezes em meio a crescentes preocupações com a proliferação do vírus.

O segundo teste positivo ocorreu quando o número de casos no Japão subiu para mais de 190 nesta quinta-feira, ante 170 no dia anterior. Ao mesmo tempo, o governo japonês pediu o fechamento provisório das escolas públicas do país, a partir da próxima segunda, para evitar a propagação do novo coronavírus.

O governo de Tóquio pediu que grandes reuniões e eventos esportivos sejam adiados por duas semanas para conter o vírus, mas prometeu que os Jogos Olímpicos de 2020 serão mantidos na cidade.

Os mais de 190 casos no Japão não fazem parte dos 704 registrados no navio Diamond Princess, que foi colocado em quarentena em Tóquio no início deste mês.

A imprensa local reportou outra morte por coronavírus na província de Hokkaido, no norte do país, elevando o total de pessoas que morreram para oito, incluindo quatro do navio.

Embora este seja o primeiro caso conhecido de um paciente que contraiu a Covid-19 pela segunda vez no Japão, também foram relatados segundos testes positivos na China, onde a doença surgiu no final do ano passado.

  • O surto se espalhou rápida e amplamente, infectando cerca de 80.000 pessoas em todo o mundo e matando quase 2.800, a maioria na China continental.

    A mulher, moradora de Osaka, no oeste do Japão, apresentou resultado positivo na quarta-feira 26 após sentir dores de garganta e no peito, informou o governo local em comunicado. Ela testou positivo pela primeira vez no final de janeiro e recebeu alta do hospital após se recuperar em 1º de fevereiro, de acordo com o comunicado.

    Continua após a publicidade

    O ministro da Saúde, Katsunobu Kato, disse no Parlamento que o governo central precisaria revisar as listas de pacientes e acompanhar as condições dos que receberam alta previamente, enquanto especialistas em saúde analisam as implicações de testes positivos para o vírus após uma recuperação inicial.

    “Quando você tem a infecção, ela pode permanecer inativa e com sintomas mínimos, e você pode ter um agravamento se a doença migrar para os pulmões”, disse Philip Tierno Jr., professor de microbiologia e patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York.

    Tierno acrescentou que ainda há muito desconhecimento sobre o vírus. Quando questionado sobre as perspectivas para os Jogos Olímpicos em Tóquio neste ano, Tierno disse: “A Olimpíada deve ser adiada se isso continuar… Há muitas pessoas que não entendem como é fácil transmitir essa infecção de uma pessoa para outra”.

    Escolas fechadas

    Também nesta quinta, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, pediu o fechamento provisório das escolas públicas do país, a partir da próxima segunda. “O governo põe a saúde e a segurança das crianças acima de todo”, disse Abe à imprensa.

    “Pedimos a todas as escolas públicas infantis, de primário e de secundário (de todo país), que fechem temporariamente a partir de 2 de março e até as férias de primavera”, que serão no final do mês que vem, completou. “Estão sendo realizados esforços para prevenir a propagação de infecções entre as crianças em diferentes regiões”, acrescentou.

    Muitas escolas públicas de Ensino Médio e Fundamental da região de Hokkaido estavam fechadas nesta quinta, depois que o governo local pediu seu fechamento por cerca de uma semana. A cidade de Osaka também anunciou que fechará os jardins de infância e centros educacionais de primário e secundário por duas semanas.

    “É sumamente importante impedir que um foco da doença crie outro surto, e acreditamos que devemos tomar medidas rigorosas”, acrescentou Abe.

    (Com Reuters e AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade