Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Irã proíbe o uso do Telegram

Concorrente do WhatsApp, o aplicativo entra para a lista de redes sociais proibidas por serem consideradas "perigosas", assim como Facebook e Twitter

Ao final de um mês de ameaças, as autoridades do Irã bloquearam o popular serviço de mensagem Telegram, que se juntou agora à lista de redes sociais  proibidas no país por serem consideradas “perigosas”, assim como Facebook e Twitter.

O Telegram, um app de mensagens instantâneas criado na Rússia para competir com o WhatsApp, tem cerca de 40 milhões de usuários no Irã, quase a metade da população do país. Há menos de duas semanas era utilizado também pelo governo como canal de comunicação com os cidadãos.

O primeiro aviso deste controverso bloqueio foi dado pelo chefe da Comissão de Segurança Nacional do Parlamento, Alaeddin Boroujerdi, que denunciou “o papel destrutivo” do Telegram e a sua iminente substituição pelo sistema interno Sorush.

A rejeição ao Telegram cresceu entre as autoridades depois que protestos antigovernamentais terem sido convocados no final do ano passado por meio de alguns dos seus canais. O aplicativo acabou bloqueado durante duas semanas.

A decisão do Poder Judiciário iraniano de restringir o acesso ao aplicativo teve como base o argumento de que o sistema causou prejuízo à segurança do país por ter sido  utilizado para “provocar caos e distúrbios” e divulgar “propaganda contra o sistema da República Islâmica”.

A reação popular não demorou. Após a decisão judicial, os usuários compartilharam pelo Telegram diversos aplicativos que disponibilizam o acesso a VPNs (redes privadas virtuais) e garantiram que continuarão divulgando “as traições dos responsáveis ao povo”.

“O Telegram é o único lugar onde podemos revelar estes temas e, por isso, se transformou em uma ameaça para a República Islâmica”, afirmaram os canais de oposição.

Em troca, as autoridades começaram a divulgar, no último mês, sistemas locais como o Sorush, criado há dois anos, com pouco mais de 3 milhões de usuários. Mas a desconfiança dos cidadãos é grande.

Uma das brincadeiras que circularam nas últimas semanas dizia: “Para baixar o Sorush, mandem o número 1 ao 1000397 e aproveitem para que suas conversas sejam escutadas”. “Quando você instala o Sorush, o aplicativo imediatamente faz uma foto sua. Acredito que precisam dela para completar seu registro”, ironizava outro comentário.

Alguns chamaram este aplicativo de “sistema de rastreamento e escuta”, enquanto outros divulgaram uma foto de uma mulher semi-nua censurada junto à frase “quando sua namorada te manda uma foto dela pelo Sorush”.

Receio

Uma usuária do Telegram, Nilufar, que tem um canal no aplicativo para informar sobre as atividades em sua academia de dança, falou que tem receio de usar o Sorush.

“Dizem que o aplicativo está sendo vigiado pelas autoridades, e nós usamos o canal para anunciar algumas aulas como a zumba, que está proibida. Por isso, continuaremos com o Telegram e informaremos, a partir de agora, também pelo Instagram”, explicou.

O Telegram é considerado seguro porque não compartilha os dados de seus usuários com os governos, motivo pelo qual entrou na mira de vários países, como a Rússia, que bloqueou o serviço neste mês, desencadeando protestos populares em defesa da liberdade na internet.

Assim como Nilufar, a maioria pretende continuar utilizando o Telegram com programas VPNs, embora a decisão judicial para os servidores de internet locais também falasse sobre impossibilitar o uso com estes sistemas.

A luta para controlar a informação na internet é também uma batalha interna do país: o bloqueio do Telegram pela Justiça aconteceu apenas uma semana depois de o presidente iraniano Hassan Rohani dizer que o aplicativo não seria censurado.

Rohani prometeu aos cidadãos liberdade na internet e explicou que a propagação do uso do Sorush tem o objetivo de “acabar com o monopólio dos serviços de mensagem”, mas não de bloquear os outros aplicativos.

Apesar de tudo, o próprio governo proibiu seus órgãos de usar o Telegram depois de 18 de abril, mesmo dia em que o líder supremo, Ali Khamenei, fechou seu canal no aplicativo.

(Com EFE)