Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Índia reduz disparidades sociais e coleciona triunfos – em ritmo chinês

Os indianos desbancam os chineses como maior população do mundo. Lá, jovens instruídos estão transformando o país em uma potência econômica

Por Ernesto Neves, Caio Saad
15 abr 2023, 08h00

Dona de uma impressionante coleção de títulos vistosos, a China acaba de perder um deles — o de nação mais populosa do planeta, que mantinha havia séculos. Segundo cálculos da ONU, na sexta-feira 14 a Índia, maior rival dos chineses na Ásia, conquistaria o topo do pódio, contabilizando exatos 1 425 775 850 habitantes. A inédita mudança vai muito além da cifra de dez dígitos. Dando mostras de que está sabendo aproveitar as benesses do bônus demográfico — a janela de oportunidades em que a fatia populacional apta a trabalhar é maior do que a não produtiva —, a Índia reduz suas disparidades sociais e coleciona estatísticas positivas em ritmo, digamos, chinês. Ao longo da última década, a economia indiana se expandiu 40% e o PIB alcan­çou 3,5 trilhões de dólares anuais, o quinto maior do planeta, desbancando inclusive o do Reino Unido, de quem foi colônia. Estima-se que até o fim da década o país chegue ao terceiro lugar, atrás apenas de EUA e China, como resultado da injeção de 30 bilhões de dólares em áreas prioritárias, como as de semicondutores e tecnologias de baixo carbono.

A mudança demográfica tem origem na forma com que indianos e chineses lidaram com a superpopulação nos anos 1970. Enquanto o Partido Comunista chinês baixava a desastrosa obrigatoriedade do filho único, os indianos optaram por políticas democráticas de planejamento familiar, com vasta campanha de esclarecimento e distribuição gratuita de preservativos e anticoncepcionais. A fertilidade baixou gradativamente até chegar ao nível atual de 2% ao ano, alto para os padrões ocidentais, mas longe de provocar a explosão populacional temida no passado. Quando atingir o pico de habitantes, provavelmente em 2064, a Índia terá 1,7 bilhão de pessoas, 50% a mais do que a China — onde o estímulo a famílias maiores chegou tarde demais e, no ano passado, foi registrada a primeira queda na população em sessenta anos. “As políticas indianas foram muito mais engenhosas porque vão permitir um longo período de transição demográfica. Isso é muito benéfico à economia”, diz Tim Dyson, demógrafo da London School of Economics.

LÁ E CÁ - O populista Modi: expansão econômica e retrocesso nas liberdades democráticas
LÁ E CÁ - O populista Modi: expansão econômica e retrocesso nas liberdades democráticas (Sajjad Hussain/AFP)

No mundo, hoje, uma em cada cinco pessoas com menos de 25 anos está na Índia. Mais promissor ainda, trata-se de uma força de trabalho instruída — só os cursos de engenharia formam meio milhão de novos profissionais anualmente — e capacitada para irrigar setores estratégicos. Na área de infraestrutura, a péssima conexão entre as cidades vem sendo superada com a construção de 10 000 quilômetros de novas rodovias todo ano, enquanto a malha ferroviária, notoriamente decrépita e superlotada, ganha o reforço de locomotivas de alta velocidade, incluindo trens-bala japoneses. No crucial meio digital, a Índia é responsável por 15% de todos os serviços de tecnologia da informação prestados no mundo e soma 108 unicórnios, como são chamadas as startups que atingem valor de 1 bilhão de dólares, antes de abrirem capital. “A Índia é a maior fonte mundial de novos talentos no setor digital”, crava Shruti Rajagopalan, economista da Universidade George Mason, nos Estados Unidos.

Não bastasse o turbilhão desenvolvimentista interno, a Índia, historicamente equidistante das duas potências atuais mas atolada em uma eterna disputa com Pequim em torno da região da Caxemira, encontra-se em posição particularmente promissora para atrair investimentos internacionais e vem facilitando a instalação de empresas e fábricas ocidentais interessadas em fugir da rixa entre americanos e chineses. Muito a propósito, a Apple, com a presença do CEO Tim Cook em pessoa — que cogita transferir para lá etapas da fabricação de seus produtos —, inaugura neste mês, com dois dias de intervalo, suas primeiras lojas na Índia, em Mumbai e Nova Délhi.

Continua após a publicidade

arte Índia

A pujança econômica contrasta com o retrocesso político comandado pelo primeiro-ministro Narendra Modi, populista de direita à moda antiga que desfruta de grande popularidade graças à farta distribuição de agrados e à incitação do nacionalismo na maioria hindu. Modi manipula a Justiça com a promoção e o ostracismo de juízes e assim, por meio de mandados e buscas supostamente legais, consegue controlar a imprensa e instituições civis. Rahul Gandhi, líder do Congresso Nacional, que governou o país por décadas e está à frente do principal partido de oposição, foi condenado neste mês a dois anos de prisão por haver insinuado, na campanha de 2019, que Modi é sinônimo de ladrão; ele aguarda o julgamento de recurso em liberdade, mas pode ser impedido de disputar a eleição de 2024. Uma Lei de Segurança Pública autoriza a prisão preventiva de suspeitos de atos contra o governo por até dois anos. A minoria muçulmana — 15% da população, ou 200 milhões de pessoas — é perseguida e atacada, em um clima de permanente tensão religiosa. Livros escolares foram reescritos, para extirpar a herança islâmica na história. Recentemente, um deputado do BJP, o partido de Modi, resolveu defender a demolição do Taj Mahal, extraordinário mausoléu que é patrimônio da humanidade e foi erguido no período de dominação muçulmana da região. Equilibrando-se entre o avanço e o retrocesso, a Índia vai desbravando o seu futuro.

Publicado em VEJA de 19 de abril de 2023, edição nº 2837

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.