Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Igreja batista dos EUA é acusada de encobrir casos de abuso sexual

Relatório aponta que líderes da igreja encobriram as denúncias por duas décadas e permitiram que suspeitos do crime continuassem como pastores

Por Da Redação 27 Maio 2022, 14h29

A Convenção Batista do Sul publicou uma lista na quinta-feira 26, de centenas de clérigos e outros funcionários da igreja dos Estados Unidos acusados de abuso sexual. A lista acompanha um relatório divulgado no domingo 22, que aponta que líderes do grupo mantiveram as denúncias em sigilo ao longo de duas décadas.

O lançamento da lista de 205 páginas marca “um passo inicial, mas importante, para enfrentar o flagelo do abuso sexual e implementar a reforma na Convenção”, disse Rolland Slade, presidente do Comitê Executivo da congregação religiosa.

“Nossa oração é que os sobreviventes desses atos hediondos encontrem esperança e cura, e que as igrejas utilizem essa lista de forma proativa para proteger e cuidar dos mais vulneráveis ​​entre nós”, acrescentou Slade.

Embora os batistas do sul tenham lidado com alegações de abuso por anos, o relatório, preparado por um investigador terceirizado, chocou a comunidade por indicar que líderes da igreja ignoraram e sufocaram os pedidos de ajuda das vítimas.

Membros da comunidade dizem ter informado ao Comitê Executivo da Convenção sobre supostos infratores, mas o ex-vice-presidente da congregação, D. August Boto, classificou a delação, na época, como um “esquema satânico”.

Entre as revelações mais perturbadoras do documento, está a de que clérigos mantinham uma lista secreta com os nomes de 700 abusadores denunciados, mas não tomaram medidas para afastar os suspeitos de cargos de autoridade. A lista abrange crimes que remontam a décadas. A maioria dos acusados pertence à Convenção Batista do Sul, mas outros são afiliados a outras tradições batistas. 

Grande parte dos nomes já havia sido publicada em outro lugar – inclusive em uma grande investigação sobre alegações de abuso pelos veículos de imprensa The Houston Chronicle e pelo San Antonio Express-News. Alguns dos nomes aparecem também em documentos judiciais como parte de processos criminais ou civis.

Entre os acusados está Derek Wayne Hutter, ministro de jovens da Igreja Batista Garland, no Texas. O pastor se declarou culpado em 2015 de acusações de aliciamento de um menor e foi condenado a 22 anos de prisão federal. De acordo com informações do jornal local Dallas Morning News, autoridades disseram que ele abusou 20 vezes de uma garota de 13 anos que fazia parte de seu grupo de jovens, dentro da igreja.

A convenção é a maior denominação protestante do país, com quase 14 milhões de membros e mais de 47.000 igrejas em todos os 50 estados. A publicação da lista de abusadores vem semanas antes da reunião anual da convenção em Anaheim, Califórnia, onde os líderes e membros devem discutir outras medidas para lidar com as denúncias e eleger novas lideranças.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)