Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Homem com arco e flecha deixa mortos e feridos em ataque na Noruega

Caso aconteceu na cidade de Kongsberg, sudeste do país, e ainda não há número exato de vítimas

Por Da Redação Atualizado em 13 out 2021, 18h37 - Publicado em 13 out 2021, 17h02

Diversas pessoas morreram e outras foram feridas por um homem que usou um arco e flechas na cidade norueguesa de Kongsberg nesta quarta-feira, 13, segundo a polícia local. Segundo a mídia local, ao menos quatro pessoas foram mortas.

“O homem foi detido (…) a partir das informações que temos, a pessoa realizou estas ações sozinha”, disse o chefe de polícia Oeyvind Aas a repórteres. “Diversas pessoas ficaram feridas e diversas estão mortas”, acrescentou, se negando a comentar o número de vítimas.

“É uma tragédia para todos”, disse a prefeita Kari Anne Sand, ao jornal VG. “Não tenho palavras”.

A polícia não deu detalhes sobre o suspeito, que teria percorrido vários locais atacando pessoas até ser detido. Ele foi levado para a delegacia de Drammen, uma cidade próxima.

De acordo com a rede pública NRK, um dos ataques teria sido feito dentro de um supermercado na região oeste da cidade, de cerca de 28.000 habitantes. Horas antes, a polícia havia informado sobre um incidente no centro de Kongsberg e pedido para que os residentes não saíssem de suas casas, após constatar que uma pessoa foi ferida por uma flecha. 

Ainda segundo a emissora, a cidade organizou uma recepção em um hotel para familiares e envolvidos receberam assistência e apoio, e o Ministério da Justiça enviou recursos como helicópteros e equipes da tropa de resposta a emergências.

Perguntado se os ataques seriam um ação terrorista, o chefe de polícia respondeu que “o tempo dirá o tipo de motivo que houve para esta ação”.

“Por enquanto, vamos lidar com o que sabemos. Temos vários feridos e mortos e também prendemos o responsável”, acrescentou. 

A Direção Geral de Polícia ativou uma ordem temporária para que todos os oficiais do país estejam armados, contra a norma usual, embora até agora “não haja indicações concretas” de que possa haver uma mudança no nível de ameaça terrorista do país, informou a corporação em comunicado.

Continua após a publicidade
Publicidade