Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Harvard doa 100 milhões de dólares para reparações pela escravidão

Decisão acompanha relatório que denuncia relação histórica da universidade mais antiga dos Estados Unidos com exploração racial

Por Da Redação 26 abr 2022, 17h41

A Universidade de Harvard reservou US$ 100 milhões (R$ 498 milhões) para um fundo de doação que irá custear medidas de reparação histórica pela escravidão. A decisão da instituição de ensino superior mais antiga dos Estados Unidos acompanha um relatório que aponta que a universidade se beneficiou da exploração racial mesmo após a abolição da escravidão.

O presidente de Harvard, Lawrence Bacow, informou nesta terça-feira, 26, sobre a nova resolução adotada pela universidade a todos os alunos, docentes e funcionários da instituição.

“A escravidão e seu legado fazem parte da vida americana há mais de 400 anos. O trabalho de corrigir ainda mais seus efeitos persistentes exigirá nossos esforços nos próximos anos”, escreveu Bacow.

A declaração do acadêmico acompanha um relatório de 100 páginas do Comitê de 14 membros da universidade sobre Harvard e o Legado da Escravidão. O documento apresenta evidências de que a instituição se beneficiou do trabalho e do tráfico de escravizados mesmo depois da prática ter sido proibida em 1783 pela Constituição de Massachusetts, estado em que a universidade foi fundada.

“A instituição de ensino superior mais antiga do país ajudou a perpetuar a opressão e a exploração racial da época”, aponta o relatório, que também denuncia a exclusão de estudantes negros em Harvard.

A decisão de repassar os fundos para implementações de medidas reparatórias ocorre em meio a uma conversa mais ampla sobre os impactos de séculos de escravidão, discriminação e racismo.

A verba será destinada ao apoio educacional de descendentes de escravizados em Harvard para que eles “possam recuperar suas histórias, contar suas histórias e buscar conhecimento empoderador”.

Outras recomendações incluíam o financiamento de programas de verão para trazer alunos e professores de instituições de ensino historicamente mal financiadas para Harvard e realizar este intercâmbio com as faculdades da HBCU, associação de instituições criada com a missão de atender primordialmente à comunidade negra nos Estados Unidos.

Outras escolas americanas de ensino superior criaram fundos nos últimos anos para lidar com os legados da escravidão. Uma lei promulgada na Virgínia no ano passado exige que cinco universidades públicas estaduais criem bolsas de estudo para descendentes de pessoas escravizadas pelas instituições.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)