Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo do Equador chega a acordo com indígenas para acabar com protestos

Movimento indígena aceitou encerrar a chamada primeira etapa de manifestações e disse que irá avaliar o cumprimento do acordo em 90 dias

Por Matheus Deccache 30 jun 2022, 18h15

O governo do Equador anunciou nesta quinta-feira, 30, que firmou um acordo com lideranças indígenas para encerrar a onda de protestos que atingem o país há mais de duas semanas devido à alta no preço dos combustíveis e a situação econômica. O anúncio ocorre um dia depois do presidente, Guilhermo Lasso, dizer que não iria continuar com as negociações. 

Por meio das redes sociais, a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador, a Conaie, afirmou que considera oficialmente encerrada a chamada primeira etapa de manifestações e que, após 90 dias, irá analisar se as promessas do atual governo foram cumpridas. 

+ Presidente do Equador sobrevive a impeachment e trava negociações

A Conferência Episcopal Equatoriana, que mediou as negociações, disse que Lasso se comprometeu a diminuir mais US$ 0,05 no preço do galão do diesel e da gasolina, levando a uma redução total de US$ 0,15. Inicialmente, a Conaie demandava a diminuição de US$ 0,40 e, durante o primeiro anúncio de queda, os processos não se encerraram. 

“Agora começaremos, juntos, a tarefa de transformar essa paz em progresso, bem-estar e oportunidades para todos”, disse o presidente, que não esteve presente na assinatura do acordo. 

Continua após a publicidade

Na última quarta-feira, 29, Guilhermo Lasso chegou a anunciar que não iria mais negociar com o movimento indígena, principal responsável pelos protestos, pouco após se salvar de um processo de impeachment, que recebeu 80 dos 92 votos necessários. 

Apesar da redução não ser a demandada pela Conaie, o grupo ponderou que outras questões também foram resolvidas, como a revogação de um decreto presidencial que permitia ao Estado ampliar as fronteiras ​de extração de combustíveis fósseis, em grande parte na região da Amazônia equatoriana.

+ Equador reduz preço de combustíveis em concessão a manifestantes

As manifestações começaram em 14 de junho para exigir que os preços da gasolina fossem reduzidos em US$ 0,40 por galão, para US$ 2,10. Os protestos começaram com bloqueios pacíficos nas estradas, mas os níveis de violência aumentaram em partes do país, incluindo a capital, Quito, levando o ex-banqueiro conservador Lasso a decretar um estado de exceção em seis províncias. 

Um soldado, identificado como José Chimarro, foi morto enquanto fazia a escolta de um caminhão-tanque no leste do país. De acordo com os militares, ele estava com um grupo que foi abordado por pessoas portando lanças e armas, ferindo outros cinco policiais e sete soldados. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)