Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

G7 apoia OMS em cúpula virtual e deixa Trump isolado

Líderes do grupo criticam o presidente americano por cortar o financiamento à organização em meio à pandemia de coronavírus

Por Amanda Péchy Atualizado em 30 jul 2020, 19h24 - Publicado em 16 abr 2020, 18h25

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se viu isolado nesta quinta-feira, 16, durante uma cúpula virtual do G7 devido à sua decisão de cortar o financiamento americano à Organização Mundial da Saúde (OMS). Os líderes da Alemanha, Canadá, França, Itália, Japão, Reino Unido e União Europeia expressaram forte apoio à entidade de saúde global.

Um porta-voz da chancelar alemã Angela Merkel disse que a líder argumentou que “a pandemia só pode ser superada com uma resposta internacional forte e coordenada”, e o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, descreveu a entidade como a “espinha dorsal da luta contra a pandemia”. O premiê canadense, Justin Trudeau, disse que “a OMS é uma parte importante dessa colaboração e coordenação internacionais”.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a Casa Branca insistiu que as críticas de Trump à OMS foram contempladas pelo G7. O líder americano justificou o congelamento dos 400 milhões de dólares destinados à organização pela “falta de transparência e má administração crônica da pandemia”, afirmando que não estava disposta a confrontar a China no início do surto.

Os líderes do G7, apesar das dúvidas sobre a resposta da China ao coronavírus, argumentam que não é hora de abrir um buraco nas finanças da entidade que comanda a resposta internacional à pandemia de coronavírus, reporta o Guardian. Mais de 2 milhões de pessoas já foram contaminadas no mundo, dentre as quais 140.000 morreram.

O Reino Unido aumentou este mês sua ajuda à OMS, e seu governo ressaltou o esforço diplomático da organização para entrar na China e investigar o novo vírus. A União Europeia, representada pelo presidente do conselho, Charles Michel, pretende direcionar 8 milhões de dólares para ajudar a preencher a lacuna criada pelos Estados Unidos, por meio de uma conferência online de arrecadação. Michel também enfatizou a importância do “multilateralismo”.

Trump já havia brigado com os outros líderes do G7, quando se recusaram a aceitar que os Estados Unidos descrevessem o coronavírus como “vírus de Wuhan” em um comunicado no dia 16 de março, na tentativa de atribuir à China a responsabilidade pela próxima recessão econômica global.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês