Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

França proíbe voos domésticos de curta duração para reduzir emissões

Proibição afeta trechos que podem ser realizados de trem em menos de duas horas e meia

Por Da Redação 24 Maio 2023, 13h09

A França proibiu formalmente voos domésticos em rotas curtas que podem ser realizadas de trem em menos de duas horas e meia, na última terça-feira, 23. A medida, que tem como objetivo reduzir emissões das companhias aéreas, irritou o setor.

A proposta já havia sido incluída em uma lei climática de 2021 e já era aplicada na prática, mas algumas companhias aéreas haviam pedido à Comissão Europeia que investigasse se era legal. Porém, a lei especifica que os serviços ferroviários na mesma rota devem ser frequentes, oportunos, bem conectados e capazes de absorver o aumento do número de passageiros para atender às necessidades daqueles que, de outra forma, viajariam de avião.

A mudança exclui as viagens aéreas entre Paris e centros regionais como Nantes, Lyon e Bordeaux, com voos de conexão inalterados. Os críticos notaram que o ponto de corte para viagens de trem comparáveis é inferior às cerca de três horas que leva para viajar de Paris à cidade portuária de Marselha, por trem de alta velocidade.

+ Tribunal francês condena ex-presidente Sarkozy a três anos de prisão

O governo já havia garantido a conformidade da Air France com o plano em troca de um pacote de suporte financeiro para o coronavírus em 2020. Entretanto, muitos opositores da medida afirmam que é simbólica e não vai ter efeito reais positivos para o meio ambiente.

Continua após a publicidade

Laurent Donceel, chefe interino do grupo industrial Airlines for Europe (A4E), disse à agência de notícias AFP que os governos devem apoiar “soluções reais e significativas” para as emissões das companhias aéreas, em vez de “proibições simbólicas”. Ele ainda acrescentou que “a proibição dessas viagens terá apenas efeitos mínimos” na emissão de CO2.

+ Polícia é criticada após permitir manifestação neonazista em Paris

A A4E destacou sua própria estratégia líquida zero até 2050, que inclui a mudança para combustível de aviação de fontes não fósseis e a implantação de aeronaves movidas a bateria ou hidrogênio.

Além da medida, os políticos franceses também debatem a possibilidade de reduzir as emissões de jatos particulares. Enquanto os parlamentares verdes pediram a proibição total de pequenos voos privados, o ministro dos Transportes, Clement Beaune, no mês passado, apresentou uma cobrança climática mais alta para os usuários a partir de 2024.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.