Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

FOTOS: Maré histórica inunda as ruas de Veneza

A maré que atingiu a cidade é a maior registrada desde os anos 1960

Por Da Redação - Atualizado em 13 nov 2019, 12h05 - Publicado em 13 nov 2019, 11h55

A cidade italiana de Veneza registrou, na noite desta terça-feira 12, uma histórica “acqua alta” (maré alta), com um pico que pode atingir ou superar 1,90 metro, segundo o Centro de Marés do destino turístico italiano.

De acordo com o jornal italiano La Repubblica, o pico das inundações foi registrado na noite de terça-feira 12, quando ventos fortes de até 100 quilômetros sopraram contra a cidade, que declarou emergência. O prefeito, Luigi Brugnaro, afirmou que os danos podem chegar a “milhares de euros”.

Ainda segundo o La Repubblica, um homem morreu eletrocutado ao tentar desligar a energia elétrica de sua casa, e os bombeiros atenderam 171 chamados de emergência pela cidade. Focos de incêndio causados por curto-circuitos foram reportados e controlados rapidamente. 

A força da maré foi tão intensa que inundou a basílica de São Marcos, coisa que só aconteceu cinco vezes desde sua inauguração, no ano de 828 — sendo reconstruída em 1063 após um incêndio.

Publicidade

O fenômeno da “acqua alta” costuma inundar as zonas baixas da cidade, chegando a atingir a praça de São Marcos, que fica perto da basílica, mas é mais baixa em relação ao nível do mar. Três das cinco grandes inundações que ocorreram na basílica ocorreram nos últimos 20 anos.

Para proteger Veneza das marés, que afetam cada vez mais seu patrimônio artístico, em 2003 foi iniciada a construção de 78 diques flutuantes, com base no projeto MOSE (Módulo Experimental Eletromecânico). Este sistema fechará a lagoa em caso de excessiva elevação das águas do Adriático.

(Com AFP)

Publicidade