Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA lançam ação global ‘forte’ contra riscos da Inteligência Artificial

Ordem executiva passa a obrigar que desenvolvedores do setor compartilhem resultados dos testes de segurança com governo americano

Por Da Redação
30 out 2023, 14h49

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, emitiu nesta segunda-feira, 30, uma ordem executiva que procura reduzir os riscos relacionados à Inteligência Artificial (IA), como problemas de privacidade e discriminação. A decisão também obriga que desenvolvedores do setor compartilhem resultados dos testes de segurança com o governo federal.

O vice-chefe de gabinete da Casa Branca, Bruce Reed, disse que os EUA emitiram “o conjunto mais forte de ações que qualquer governo do mundo já tomou em relação à segurança, proteção e confiança da IA”. As medidas também incluem a elaboração de práticas éticas para a aplicação de IAs no sistema judicial e a criação de um programa para avaliar potenciais consequências dessas tecnologias para a saúde pública.

A ordem presidencial estabelece, ainda, a criação de recursos para orientar professores sobre o uso responsável de ferramentas de IA, a proteção da privacidade do consumidor a partir de diretrizes, além de estimular o trabalho com parceiros internacionais para implementar padrões no setor ao redor do globo.

+ Inteligência artificial protagoniza revolução sem precedentes na medicina

A movimentação americana ocorre às vésperas da cúpula de segurança de Inteligência Artificial, organizada pelo Reino Unido. O encontro de dois dias terá início nesta quarta-feira, na antiga instalação militar de Bletchley Park, e reunirá líderes políticos, funcionários do setor de tecnologia e representantes da sociedade civil.

Continua após a publicidade

A cúpula tem como objetivo tratar sobre os potenciais consequências da constante modernização dos sistemas de IA, culminando em piores ataques cibernéticos e na produção de armas biológicas mais potentes e fatais. A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris; a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen; e o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, estarão presentes.

Em entrevista à emissora britânica BBC, Alex Krasodomski, pesquisador associado da ONG Chatham House, afirmou que a decisão de Biden represente um passo “realmente importante”, mas “não está necessariamente alinhada com os objetivos e metas do Reino Unido para a cimeira”.

+ Códigos destravam bloqueios de segurança de IAs generativas

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.