Clique e assine a partir de 9,90/mês

EUA compram praticamente todo estoque mundial de remdesivir

Estudos apontam que medicamento pode reduzir o tempo de internação de pacientes com Covid-19; Casa Branca fechou acordo com farmacêutica

Por Da Redação - Atualizado em 1 jul 2020, 15h37 - Publicado em 1 jul 2020, 14h06

Os Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira, 1°, a compra de praticamente todo o estoque da droga remdesivir, usada no tratamento para a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O acordo reduzirá o acesso do restante do mundo ao remédio, que ajuda os pacientes a se recuperarem mais rápido, pelos próximos três meses.

“O presidente Trump firmou um incrível acordo que dará aos americanos o acesso ao primeiro medicamento terapêutico autorizado para a Covid-19”, disse que secretário da Saúde e Serviços Humanos, Alex Azar. “Queremos assegurar que qualquer paciente americano que esteja em necessidade do remdesivir tenha acesso a ele”, disse.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

O medicamento é exclusivo da empresa Gilead, que firmou o preço do tratamento completo, que consiste em seis frascos do remédio, em 2.340 dólares. Segundo o comunicado do governo dos Estados Unidos, o país irá pagar 3.200 dólares por tratamento.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA afirmou ainda que o acordo prevê que a Gilead entregue 500.000 ciclos de tratamentos, que representam 100% da produção da farmacêutica em julho, 90% em agosto e 90% em setembro.

Continua após a publicidade

O fármaco foi usado na epidemia da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERs), também causada por um tipo de coronavírus, e na epidemia de Ebola na África. O medicamento, no entanto, se mostrou mais eficaz contra a MERs. Em testes clínicos contra a Covid-19, se constatou que o uso do remédio diminuiu o tempo de recuperação de 15 para 11 dias, além de diminuir a mortalidade do vírus. No dia 1° de maio, a Agência Federal de Drogas e Alimentos (FDA) dos Estados Unidos, equivalente a Anvisa no Brasil, autorizou o uso da droga.

Paralelamente, porém, o uso da hidroxicloroquina foi proibida pela mesma agência, o que levou os estoques federais a registrarem cerca de 68 milhões de doses paradas. Apesar da proibição, o presidente Donald Trump disse que não irá parar de escoar o medicamento para o Brasil, uma vez que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro solicitou o envio da droga.

Além da compra de todo o estoque de remdevisir, os Estados Unidos invocaram o Ato de Defesa da Produção, que impede a importação de alguns insumos hospitalares produzidos em solo americano, além de competirem proativamente na corrida pela vacina contra outras iniciativas, como o fundo milionário criado pela União Europeia, que conta com países que não integram o bloco.

Os Estados Unidos são atualmente o país mais impactado pelo pandemia. Segundo a Universidade Johns Hopkins, que faz o levantamento em tempo real, são 2,6 milhões de casos confirmados da doença e 127.485 mortes. No mundo, a cifra chega a mais de 10 milhões de casos confirmados enquanto os óbitos já começam a passar de meio milhão. 

Publicidade