Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

ETA entrega armas à Justiça francesa

Organização separatista se prepara para anunciar formalmente sua dissolução no início de maio

Por Da redação 25 abr 2018, 19h45

A organização separatista basca ETA, que em breve anunciará sua dissolução, entregou nesta quarta-feira à Justiça francesa várias armas e munições, de acordo com o promotor da República de Bayonne, no sudoeste da França.

“Um informante anônimo me disse que uma quantidade de armas pertencentes à organização terrorista ETA havia sido depositada em um lugar no sul de Bayonne”, explicou Samuel Vuelta Simon, confirmando informações do jornal espanhol El Mundo.

Segundo uma fonte próxima à investigação, a polícia francesa recuperou quatro caixas deixadas “ao ar livre em plena cidade”. Continham “vinte armas de cano curto, centenas de munições 9 milímetros e 28 SP, um fio detonante de 20 metros” e vários detonadores elétricos.

Os agentes também encontraram cerca de 200 documentos falsos e material que poderia ser usado para o roubo de carros. Tudo foi deixado em um local cujas coordenadas foram informadas ao procurador por meio de um “e-mail anônimo”.

Após mais de quatro décadas de violência, o ETA (Euskadi Ta Askatasuna, ou País Basco e Liberdade) entregou em 8 de abril de 2017 às autoridades francesas dezenas de armas e centenas de quilos de explosivos no “desarmamento total” do grupo separatista basco.

“O ETA havia se comprometido encontrar as armas perdidas durante os últimos anos e que não estavam em suas mãos em 8 de abril de 2017”, explicou um deles, Jean-Noël Etcheverry, conhecido como “Txetx”, entrevistado pela AFP. “Este processo de entrega, que é confidencial, está em curso”, acrescentou, sem dar mais detalhes.

Continua após a publicidade
  • Para o governo de Mariano Rajoy, a entrega de armas de 8 de abril de 2017 foi uma “operação midiática para dissimular sua derrota”. Em um comunicado, o Executivo havia assegurado que a única solução para o grupo “era anunciar sua dissolução definitiva, pedir perdão às vítimas e desaparecer”.

    A organização separatista pediu perdão na semana passada às vítimas do conflito e afirmou estar consciente da “dor” e dos “graves danos” causados durante sua luta armada — embora suas desculpas dirigidas apenas aos afetados “sem responsabilidade” tenham gerado polêmica na Espanha.

    Criado em 1959 sob a ditadura de Francisco Franco, o ETA se prepara para anunciar formalmente sua dissolução no início de maio.

    Um “encontro internacional” para alcançar uma “paz justa e duradoura” no País Basco foi marcado para 4 de maio em Cambo-les-Bains, no sudoeste da França, segundo o mediador internacional Raymond Kendall.

    “Celebraremos um novo encontro internacional em Cambo em 4 de maio de 2018 (…), que será primordial no avanço do processo de paz definitivo”, declarou o especialista britânico, membro do Grupo Internacional de Contato (GIC), que trabalha a favor de um processo de paz no País Basco.

    (Com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade