Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ernesto Araújo: ‘Não houve golpe em 1964’

Chanceler se alinha ao presidente Jair Bolsonaro, que orientou os quartéis a celebrar o 31 de março, apesar do pedido de cautela dos generais de seu governo

Por Da Redação
Atualizado em 27 mar 2019, 16h03 - Publicado em 27 mar 2019, 15h17

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o historicamente reconhecido golpe militar de 1964 não foi um golpe de Estado. “Foi um movimento necessário para que o Brasil não se tornasse uma ditadura, disso não tenho a menor dúvida”, declarou o chanceler durante audiência na Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara dos Deputados, presidida por Eduardo Bolsonaro nesta quarta-feira, 27.

Araújo respondia a perguntas dos deputados presentes quando deu sua opinião. Alguns dos parlamentares protestaram, e o ministro reiterou sua “leitura da história” sobre a legitimidade do regime estabelecido entre 1964 e 1985. O deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) insistiu em questioná-lo se o período posterior ao golpe poderia ser considerado uma ditadura. O chanceler não respondeu. Eduardo Bolsonaro tratou de rapidamente encerrar a discussão.

Araújo se alinha nessa questão ao presidente Jair Bolsonaro, que, no domingo 24, orientou os quartéis a comemorar no dia 31 de março os 55 anos do golpe, ao qual se refere como “uma data histórica”. Generais da reserva, que integram o primeiro escalão do Executivo, não endossaram as declarações e pediram cautela.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, afirmou que “o termo aí, comemoração, na esfera do militar, não é muito o caso”.

Continua após a publicidade

Em um governo que reúne o maior número de militares na Esplanada dos Ministérios desde o período da ditadura, a comemoração da data deixou de ser uma agenda “proibida”. Ainda que sem um decreto ou portaria para formalizá-la, o acontecimento volta ao calendário de comemorações das Forças Armadas após oito anos.

A determinação do presidente Bolsonaro gerou repúdio de órgãos ligados à defesa dos direitos do cidadão e medidas para barrar os eventos comemorativos na Justiça. Na terça-feira 26, a Defensoria Pública da União anunciou que ajuizará ação civil pública para impedir que o dia 31 de Março, data de início do movimento golpista, seja comemorado nas unidades militares.

(Com Estadão Conteúdo) 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.