Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Equador aprova fim da exploração de petróleo em parte da Amazônia

Decisão foi tomada em plebiscito paralelo às eleições presidenciais

Por Da Redação
21 ago 2023, 18h22

O Equador decidiu em plebiscito neste domingo, 21, suspender a exploração de petróleo no Parque Nacional Yasuní, situado na Amazônia equatoriana. Com 58% das urnas apuradas, 59,14% da população foram favoráveis à interrupção, enquanto 40,86% foram contrários ao fim das operações do Bloco 43, formado pelos campos Ishpingo, Tambococha e Tiputini (ITT), que representa 20% da produção de petróleo do país.

Uma determinação do Tribunal Constitucional estabeleceu também o prazo de um ano para que o Equador desmonte as instalações no local, considerado uma área de extrema sensibilidade em caso de derramamento de óleo bruto. A região abriga uma enorme biodiversidade, incluindo mais de 2.000 espécies de árvores e arbustos, além de cerca de 204 mamíferos, 610 aves, 121 répteis, 150 anfíbios e 250 peixes.

O Parque Nacional é lar, ainda, de povos indígenas em isolamento voluntário, como os Waorani, Tagaero, Taromenane e Dugakaeri. A deliberação representa uma vitória para o grupo ambiental Yasunidos, responsável por promover a consulta nacional. Em uma publicação nas redes sociais, os ativistas definiram a vitória como “histórica para o Equador e para o planeta”, sendo a “primeira vez que um país decide defender a vida, deixar o petróleo no subsolo e iniciar uma mudança para buscar um futuro melhor para todos”.

+ Cúpula da Amazônia: várias promessas e poucos avanços concretos

Apesar da perspectiva positiva para o grupo, a empresa estatal Petroecuador, operadora da extração, contestou o tempo limite para o encerramento do trabalho em Yasuní, alegando que seria impossível cumprir com os protocolos para fechar poços no prazo estabelecido. A instituição destaca, inclusive, que respeita os mais elevados padrões ambientais, de forma a reduzir qualquer forma de impacto na região. Até o momento, o parque não foi palco de derramamento de petróleo desde o início das operações, na década de 1980.

O governo, por sua vez, afirma que a conclusão das atividades representará um prejuízo de US$ 1,2 bilhão (cerca de R$ 5,9 bilhões) por ano em lucros da venda de petróleo bruto, ao passo que os custos para retirar as estruturas de US$ 2 milhões (R$ 9,9 milhões) chegará a US$ 500 milhões (R$ 2,4 bilhões).

Os ambientalistas argumentam que a exploração de um petróleo pesado, como é o caso de Yasuní, pode deixar de ser rentável com a queda no preço do combustível fóssil nos próximos anos. Logo, a perda na arrecadação seria inferior aos prejuízos futuros e poderia ser reparada através de impostos sobre a riqueza.

Continua após a publicidade

+ Declaração da Cúpula da Amazônia formaliza criação do Parlamento Amazônico

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), a plataforma utilizada para o plebiscito teria sido alvo de ataques cibernéticos vindos da Índia, Bangladesh, Paquistão, Rússia, Ucrânia, Indonésia e China, dificultando a votação de equatorianos que moram no exterior. O plebiscito ocorreu paralelamente ao primeiro turno das eleições presidenciais do país, que elencou os candidatos Luisa González e Daniel Noboa para a próxima etapa da disputa, prevista para 15 de outubro.

No início do mês, o presidente da Colômbia, Gustavo Petro, defendeu o fim da exploração de petróleo na floresta tropical em meio à Cúpula da Amazônia. O encontro dos oito países que dividem o bioma (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela) rendeu a assinatura da Declaração de Belém que, apesar da pressão de especialistas, não tratou em profundidade a controversa questão, prevendo apenas “um diálogo entre os Estados Partes sobre a sustentabilidade de setores tais como mineração e hidrocarbonetos na Região Amazônica”.

Continua após a publicidade

“[Os governos de] direita têm um fácil escape, que é o negacionismo. Negam a ciência. Para os progressistas, é muito difícil. Gera então outro tipo de negacionismo: falar em transições”, defendeu Petro, em recado o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que considera a possibilidade de perfuração na Foz do Amazonas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.