Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em pé de guerra

Theresa May põe na mesa o que ela mesma considera o acordo possível para o Brexit. Resta saber se o governo sobrevive para vê-lo finalizado

Por Thais Navarro
Atualizado em 16 nov 2018, 07h00 - Publicado em 16 nov 2018, 07h00

Depois de um ano e meio de idas e vindas, brigas internas, demissões e picuinhas, a atribulada primeira-ministra britânica, Theresa May, finalmente deu um passo à frente — um passinho, na verdade — nas negociações para a saída do país da União Europeia, o Brexit, aprovado em plebiscito em 2016. Na quarta-feira 14, após cinco horas (três a mais que o previsto) de discussões que ela mesma qualificou de “longas, detalhadas e apaixonadas” com seus ministros, May anunciou haver obtido deles a concordância “coletiva” para que siga em frente com o acordo que conseguiu arrancar da UE — um compromisso de “nível técnico” ainda cheio de lacunas — e que considera o único possível. No dia seguinte, a mesa virou: sete membros da administração — um deles o negociador do Brexit — renunciaram, e seu governo ficou por um fio. Alçada meio de surpresa à função pelo Partido Conservador justamente na esteira da aprovação da separação, que o então primeiro-ministro James Cameron repudiava e foi motivo de sua saída, May não tem uma rede de apoio minimamente confortável nem no Parlamento nem dentro do partido. Cada decisão que seu governo tem de tomar é uma batalha, e esta é a maior de todas.

A primeira-minis­tra tem pressa: a saída, com pompa e circunstância, está marcada para as 11 horas da noite (horário local) de 29 de março de 2019. E os próximos passos — se ela conseguir trilhá-los — ainda vão dar muito pano para mangas. Nas negociações entre britânicos e representantes da UE, o ponto mais emperrado fica em uma linha imaginária até hoje sujeita a trovoadas: a fronteira entre Irlanda, país independente, e Irlanda do Norte, integrante do Reino Unido. A circulação entre os dois países é inteiramente livre (a separação nem sequer aparece em alguns mapas), e esse é um quesito não negociável no acordo de paz assinado em 1998, que pôs fim à sangrenta dispu­ta nacionalista entre as duas Irlandas. Após o Brexit, a Irlanda ficaria na UE e a Irlanda do Norte, não. Seria o caso de erguer postos de fiscalização e alfândega entre elas — uma hipótese inadmissível para as duas partes.

O acordo segue agora para aprovação pelos líderes da União Europeia

A tentativa de dar à Irlanda do Norte um sistema diferenciado de comércio e circulação compatível com o da UE foi rejeitada pelo país, que alegou que isso enfraqueceria sua posição no âmbito do Reino Unido. O jeitinho combinado foi que todo o território britânico fará parte de uma união aduaneira especial com a UE — só que a Irlanda do Norte será mais diferenciada do que os outros. É uma solução provisória, que continuará a ser discutida até que se encontre uma saída. Aí entra outro nó: o acordo exige que Londres fique negociando indefinidamente. Se um dia quiser bater o pé e abandonar o sistema, terá de submeter a decisão a uma comissão conjunta. Trata-se de uma “prova de vassalagem” inaceitável, segundo os detratores, porque vai contra o cerne do Brexit, que é dar ao país autonomia para lidar com as questões internas, principalmente as comerciais, da forma que bem entender.

Continua após a publicidade

Chegar a um mínimo consenso com a UE foi um tento para a pri­mei­ra-minis­tra. Resta agora domar seus correligionários e driblar uma oposição com as garras afiadas para tomar o poder. “O Partido Conservador está rachado entre os que não querem sair da União Europeia, os que querem e os que, além de querer, não admitem concessões”, diz o cientista político Achim Hurrelmann, da Universidade Carleton, no Canadá. Várias baixas de ministros nos últimos meses retratam a divisão partidária, como a de Boris ­Johnson, conservador influente que sonha em tomar o lugar de May e que renunciou em julho ao cargo de ministro das Re­lações Exteriores. Desde então, só faz combater com unhas e dentes as posições do governo.

O caminho do acordo obtido por May é a aprovação pelos líderes da UE e, em seguida, pelo Parlamento britânico, onde se espera barulhenta oposição. “O Partido Conservador não tem maioria, e sua desenvoltura para fazer o projeto andar é muito limitada”, diz o cientista político Feargal Cochrane, da Universidade de Kent, na Inglaterra. O processo debilita ainda mais a primeira-ministra, que em julho atingiu seu pior índice de aprovação: 30%. Pesquisas mostram que, se um segundo plebiscito fosse convocado agora, a maioria votaria pela permanência na UE. Acossada de todos os lados, May está apostando tudo nesse acordo. A sorte está lançada.

Publicado em VEJA de 21 de novembro de 2018, edição nº 2609

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.