Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Em encontro com Maduro, Putin defende diálogo com a oposição venezuelana

Os presidentes da Rússia e Venezuela são alguns dos poucos líderes mundiais que não comparecem nesta semana à Assembleia-Geral da ONU

Por Da Redação 25 set 2019, 10h09

Em um encontro com Nicolás Maduro em Moscou nesta quarta-feira, 25, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, reiterou seu apoio à Venezuela, mas destacou a importância das negociações entre o governo chavista e grupos opositores no país.

Na semana passada, um grupo de partidos de oposição da Venezuela concordou em ingressar em um diálogo com o governo Maduro. No entanto, grupos maiores liderados pelo presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, rejeitaram a proposta.

Ao receber Maduro em Moscou, Putin disse que o governo russo considera “irracional e prejudicial ao país e uma ameaça ao bem-estar da população” qualquer recusa em manter um diálogo.

“É claro que apoiamos o diálogo que você, senhor presidente, e seu governo estão mantendo com as forças da oposição”, disse Putin a Maduro.

Guaidó, que foi reconhecido como presidente interino por mais de 50 nações do mundo, alega que os negociadores do regime chavista abandonaram os diálogos mediados pela Noruega “com desculpas falsas”, e por isso seu governo determinou o fim definitivo das negociações.

Os presidentes da Rússia e Venezuela são alguns dos poucos líderes mundiais que não comparecem nesta semana à Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York. Em vez disso, os chefes de Estado organizaram um evento privado em Moscou.

Continua após a publicidade

A Rússia tem sido um dos maiores apoiadores de Maduro nos últimos anos e concedeu empréstimos e ajuda para as indústrias militar e de petróleo da Venezuela. O presidente venezuelano, reeleito em maio do ano passado, teve sua vitória nas eleições contestada por grande parte da comunidade internacional e acusa dos Estados Unidos de conspirarem para prejudicá-lo.

No encontro desta quarta, Putin também anunciou planos para a Rússia entregar 1,5 milhão de vacinas contra a gripe em um futuro próximo à Venezuela, e disse que o governo russo está cumprindo suas obrigações de prestar serviços de manutenção a equipamentos militares que foram vendidos à Venezuela.

A cooperação militar entre Venezuela e Rússia vem aumentando nos últimos meses. Além de ter tropas estacionadas na região, em dezembro de 2018, bombardeiros russos aterrissaram no país no final do ano passado para realizar exercícios militares.

Em agosto, as nações assinaram um acordo de cooperação naval, que prevê a “visita” de navios de guerra aos portos dos dois países.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês