Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em busca de alianças, Milei faz reunião com Macri e Bullrich

O presidente eleito da Argentina não tem maioria no Congresso, da qual depende para aprovar suas propostas controversas

Por Amanda Péchy
Atualizado em 20 nov 2023, 11h01 - Publicado em 20 nov 2023, 10h34

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei, reuniu-se no domingo 19, noite da eleição, com o ex-chefe de Estado Mauricio Macri e Patricia Bullrich, candidata que ficou de fora do segundo turno e declarou apoio ao ultraliberal. O encontro a portas fechadas com os políticos mais importantes do partido de direita Proposta Republicana (PRO) ocorre enquanto o novo líder argentino busca alianças para ampliar o apoio no Congresso, e os direitistas tentam garantir um lugar no novo governo.

Assim que foi eleito, Milei usou seu discurso para agradecer a Macri e Bullrich pelo “apoio altruísta” que lhe concederam no caminho para o segundo turno. Também falou dos esforços da sua coalizão, A Liberdade Avança, e do PRO para fiscalizar as urnas e a contagem dos votos.

Apesar de comemorar com efusiva estridência, como é de praxe, sua vitória, o ultraliberal também começou a se preparar para os desafios do dia seguinte: agendar a complexa transição com o governo de Alberto Fernández, montar seu gabinete e decidir qual será o papel do PRO no executivo e da aliança no Congresso Nacional.

Portanto, não foi surpresa que Macri e Bullrich tenham chegado ao hotel Sheraton Libertador, que funciona como centro de operações de Milei, por volta da meia-noite.

O encontro ocorre em meio a especulações sobre quem será o presidente da Câmara dos Deputados argentina. Ao longo do mandato, Milei terá a difícil tarefa de obter o apoio necessário para aprovar suas controversas propostas, que incluem dolarizar a economia, extinguir o Banco Central e liberar o porte de armas.

Continua após a publicidade

A Liberdade Avança, que tinha apenas 3 cadeiras na Câmara, conseguiu eleger 37 deputados. Seria motivo de comemoração, não fosse o fato de que, no primeiro turno, quando os congressistas foram escolhidos, quem obteve o maior número de deputados na Câmara foi o União Pela Pátria, do adversário Sérgio Massa. A coalizão elegeu 108 deputados, 10 a menos do que a atual bancada governista.

A aliança de direita Juntos por el Cambio, da terceira colocada Bullrich, também perdeu espaço na Câmara com uma baixa maior do que a bancada do governo: de 118 para 93.

Para ter maioria na Casa Baixa, são necessários ao menos 129 deputados. Se Bullrich e Macri conseguirem alinhar seus deputados com o projeto governista de Milei, somando 130 cadeiras, as propostas do presidente poderão ser aprovadas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.