Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Elo entre Hezbollah e tráfico na América Latina preocupa EUA

Há três meses, principal financiador do grupo libanês na região foi preso em Foz do Iguaçu, no Paraná

Por Da Redação - 13 dez 2018, 08h52

A relação entre grupos terroristas islâmicos e narcotraficantes latino-americanos preocupa a seção de contraterrorismo do Departamento de Estado dos Estados Unidos. Um exemplo disso é a cooperação entre o Hezbollah e cartéis no México, apontada pelos governos americano e israelense.

Outro foco de escrutínio é a relação entre Venezuela e Irã, assim como a rede de financiadores do grupo xiita libanês na Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

“Temos de estar atentos ao risco de que se estabeleçam relações entre grupos terroristas e o crime organizado”, disse o coordenador de contraterrorismo para a América Latina do Departamento de Estado, Nathan Sales.

“Eles se adaptam facilmente e trabalham com qualquer parceiro. Os terroristas são oportunistas e buscam janelas para mover armas e pessoal”, completou.

Publicidade

De acordo com o diplomata, esse padrão de conexão do Hezbollah com grupos criminosos pode ser verificado no México, na Venezuela e na Tríplice Fronteira.

No começo da semana, o governo de Israel destruiu túneis do Hezbollah. Um dos responsáveis pelo túnel, identificado como Imad Fahs, recebeu treinamento de cartéis mexicanos.

Há três meses, a Polícia Federal prendeu em Foz do Iguaçu Assad Ahmad Bakarat, apontado como o principal financiador do Hezbollah na região. “Temos muito interesse no desenvolvimento desse caso”, disse Sales.

O Hezbollah é uma força significativa na política libanesa, mas é considerado por muitos países, inclusive os Estados Unidos, como uma organização terrorista, principalmente por seus ataques contra Israel.

Publicidade

Em novembro, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, afirmou que o governo de Donald Trump tem expectativas de que o Brasil declare o Hezbollah como grupo terrorista.

Bolton visitou o presidente eleito Jair Bolsonaro em sua casa no Rio de Janeiro no final do mês passado. Segundo o americano, a cooperação entre Estados Unidos e Brasil no combate ao terrorismo era um dos assuntos prioritários no encontro.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade