Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Eleição abre rumos para o Equador

Pela primeira vez em uma década, o presidente Rafael Correa não será candidato

A eleição no Equador é mais um teste para os governos de esquerda da América Latina, que começaram a ser substituídos em 2015. Os eleitores equatorianos vão às urnas no domingo, 19, para escolher o novo presidente de um país que se habituou ao estilo agressivo do líder bolivariano Rafael Correa, de 53 anos. Apesar de ter anunciado que está cansado e que quer dedicar-se à família, que vive na Europa, Correa busca perpetuar seu legado por meio do ex-vice-presidente Lenin Moreno, que lidera a corrida.

Assim como o venezuelano Hugo Chávez ungiu a Nicolás Maduro, Correa escolheu um candidato que garante que os planos de governo e lealdade ao projeto bolivariano permanecem intactos – assim como a possibilidade de que Correa se postule novamente para as eleições seguintes. Correa deixa a presidência com uma popularidade alta, 42%.“Ele tem grandes chances de voltar em 2021. Não há qualquer impedimento legal para isso”, diz o cientista político Fernando Casado, professor do Instituto de Altos Estudos Nacionais (IAEN), em Quito.

Moreno, um administrador de 63 anos, e autor de livros de humor é adepto de tons moderados e da conversa. Em 2012, foi nomeado para o Nobel da Paz pelas políticas para deficientes físicos (ele tornou-se cadeirante após um assalto em 1998). Espera-se que Moreno consiga a maioria dos votos (entre 28% e 32%), mas não o suficiente para ser eleito no domingo. Para ganhar o pleito no primeiro turno, um candidato precisa receber pelo menos 50% dos votos ou 40% do apoio com uma margem de 10 pontos do rival.

Moreno deve enfrentar, no segundo-turno, um dos dois candidatos com visões pró-mercado: o ex-banqueiro Guilhermo Lasso, que perdeu as eleições de 2013 para Correa, ou a advogada Cynthia Viteri.

O legado de Correa

Entre 2007 e 2017, Correa seguiu a cartilha dos vizinhos bolivarianos à risca: perseguiu opositores, avançou sobre a liberdade da imprensa e minou a independência de poderes. Graças ao elevado preço do petróleo, o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu em uma média de 4% ao ano até o final de 2014, enquanto o desemprego ficou abaixo de 5%. Mas quando o preço internacional da commodity caiu, em 2015, o PIB do Equador caiu para 0,3 %. No ano passado, amargou um crescimento negativo de 1,7% e a previsão é de que a economia encolha 4,3% em 2017.

Com os cerca de 300 bilhões de dólares provenientes do petróleo, Rafael Correa dobrou o investimento social entre 2006 e 2012. O salário mínimo aumentou acentuadamente e, segundo o centro de pesquisas inglês ODI, o Equador apresentou o crescimento econômico mais inclusivo do mundo entre 2006 e 2011. A taxa de pobreza diminuiu de 40% em 2006 para menos de 23% no ano passado.

Por outro lado, Correa deixou como herança para seu sucessor uma economia vulnerável que exigirá cortes. Durante o correísmo, os gastos públicos dobraram e atingiram um pico de 44% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014. A dívida pública triplicou desde 2008 e o país paga elevadas taxas para seus credores chineses.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcio Bamberg

    Ué, aquele país não ia tão bem?

    Curtir

  2. O tamanho do estado ?? nao da uma sao paulo ….

    Curtir

  3. Ataíde Jorge de Oliveira

    NãO
    NãO_é_NãO
    eLL_ éQuApToR_ToR
    é : 1_ZeRo_A_E$quErdA

    Curtir

  4. Se não for nessa eleição será na outra. É só questão de tempo para esse falido projeto bolivariano ser extindo da America do Sul. Projeto demagogo que alicia sindicatos , políticos e até o poder judiciário para se perpetuar no poder.Podem investigar as obras da Odebrecht no país que encontrarão os mesmo podres do Brasil.

    Curtir

  5. Hattori Hanzo

    …na verdade não passam de um teste de caráter dos equatorianos.

    Curtir

  6. Hattori Hanzo

    passa

    Curtir

  7. Robson La Luna Di Cola

    Mais um país dependente da venda de commodities que se dá mal. O Brasil é outro exemplo. Todo país precisa sofisticar sua economia, e buscar o máximo de auto-suficiência. Hoje em dia, existem tecnologias para isso. Mas será que o Grande Irmão do Big Business deixa?

    Curtir

  8. Marcos Antonio

    Outro esquerdista das Américas que irá dedicar mais tempo à família na Europa. É muito cara de pau.

    Curtir

  9. Hugo Desmascarador

    Bolivariano = Socialistas/Comunistas

    Curtir