Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Donald Trump mostra poder incontestável no Partido Republicano

Endosso do ex-presidente virou garantia de sucesso nas primárias para a eleição deste ano

Por Amanda Péchy Atualizado em 13 Maio 2022, 17h00 - Publicado em 15 Maio 2022, 08h00

Não é por pura teimosia que Donald Trump segue apregoando, sem resquício de prova, que a eleição presidencial de 2020 foi fraudada e que quem ganhou foi ele — a balela lhe dá um selo da continuidade no poder. “Aos olhos de seus seguidores, ele não é ex-presidente, é presidente no exílio”, diz Joe Lowndes, professor de ciência política da Universidade do Oregon. Usando e abusando dessa condição fictícia, Trump passou os catorze meses desde o fim de seu mandato cimentando o controle sobre a máquina do Partido Republicano.

Com enorme sucesso, ele montou uma azeitada máquina de amealhar doações milionárias, distribuir favores e aniquilar rivais. Fez de seu endosso um trunfo cobiçadíssimo nas primárias para a escolha dos candidatos do partido a todas as vagas na Câmara (435), 35 no Senado, 39 governadores e uma infinidade de outros cargos federais e estaduais. Na briga de republicano contra republicano, Trump está ganhando de lavada: soma 39 vitórias em quarenta primárias. É possível imaginar o tom do Congresso que pode sair daí.

Políticos de toda parte empreendem a peregrinação a Mar-a-Lago, na Flórida, misto de clube e resort onde Trump mora e mantém um escritório com mesa parecidíssima com a do Salão Oval. Para agradá-lo, alguns contratam seus ex-­assessores, outros levam presentes — o senador Rick Scott, da Flórida, aspirante à reeleição, o presenteou com um cálice dourado a título de Prêmio da Liberdade. David McCormick, aspirante ao Senado na Pensilvânia, passou por lá com o intuito de falar mal do rival, Mehmet Oz — o famoso Dr. Oz da TV —, e acusá-lo de “andar com as companhias erradas” devido à ascendência turca. Muitos compram espaço publicitário na Fox News, canal de TV que mantém relação simbiótica com o ex-presidente, e dirigem anúncios digitais especificamente para o seu canto na Flórida. “O método da escolha dele não é 100% claro. Mas dá para identificar um padrão no favorecimento de quem exagera em elogios públicos e rejeita a derrota nas urnas”, diz Seth Masket, diretor do Centro de Política Americana da Universidade de Denver.

Nas quatro primárias mais recentes, quem pisou no palanque com Trump não se arrependeu. Em Ohio, os 22 que ele apoiou ganharam a candidatura, sendo o principal o financista e escritor J.D. Vance, ex-desafeto que chegou a chamá-lo de “Hitler americano”. Autor de Hillbilly Elegy, que virou filme na Netflix (no Brasil, Era Uma Vez um Sonho, com Glenn Close e Amy Adams), Vance comia poeira na disputa quando, em 15 de abril, declarou seu arrependimento e caiu nas graças do ex-­presidente. Três semanas depois, levou a candidatura ao Senado. A única derrota foi em Nebraska, onde o ungido, o empresário Charles Herbster, foi acusado de abuso sexual poucas semanas antes da votação.

Pela liderança e pelos resultados, tudo leva a crer que ele será o candidato do Partido Republicano nas próximas eleições — uma situação inédita para um ex-ocupante da Casa Branca. O cofre de doações do ex-­presidente acumula 120 milhões de dólares, sem contar o que o Comitê Nacional arrecada com slogans como “ Filiação Vitalícia a Trump”. Em campanha permanente, seus frequentes comícios atraem multidões. Segundo as pesquisas, dois terços dos eleitores republicanos desejam que ele lidere o partido e metade apoia sua candidatura em 2024. Para Donald Trump, ser ex não tem valor.

Publicado em VEJA de 18 de maio de 2022, edição nº 2789

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)