Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Depois do STF, Musk compra briga com governo da Austrália

Caso está ligado à retirada de vídeos de ataque contra bispo em Sydney

Por Mafê Firpo Atualizado em 8 Maio 2024, 13h01 - Publicado em 23 abr 2024, 14h34

Elon Musk, dono da plataforma X, antigo Twitter, prometeu nesta terça-feira, 23, apelar contra a decisão de um tribunal australiano para que sua rede social retire os vídeos do recente esfaqueamento de um bispo em uma igreja em Sidney. Na segunda-feira, a Corte Federal da Austrália deu 24 horas para que as imagens do ataque parassem de circular na plataforma.

O bilionário, no entanto, afirmou que não vai seguir as ordens da Justiça australiana, afirmando que o vídeo já tinha sido censurado no país e estava disponível apenas para usuários de fora, como nos Estados Unidos. Ao ignorar os apelos anteriores, a Comissão de Segurança australiana solicitou a ordem judicial. Ele recebeu da comissária de Segurança Eletrônica, Julie Inman Grant, uma notificação para remover os vídeos, que na sua opinião é apenas uma tentativa da Austrália de impor uma “censura global”.

“Nossa preocupação é que QUALQUER país possa censurar conteúdo para TODOS os países, como exige o ‘Comissário de Segurança’ australiana”, escreveu o magnata com ironia.

O primeiro-ministro da Austrália, Anthony Albanese, criticou a atitude de Musk chamando-o de “bilionário arrogante” que “acredita que está acima da lei”. Em resposta ao premiê, o magnata afirmou que não acredita “estar acima da lei”.

Continua após a publicidade

“O fato de alguém ir à corte para defender o direito de postar conteúdo violento em uma plataforma demonstra o quão deslocado o Sr. Musk está”, declarou Albanese à rede pública ABC.

A briga com as autoridades australiana ocorre logo depois do bilionário entrar em um confronto direto com o ministro Alexandre de Moraes, o Supremo Tribunal Federal (STF), nas últimas semanas. Na ocasião, Musk questionou Moraes do “porque de tanta censura no Brasil”, afirmando em seguida que a “censura agressiva no Brasil” violava “a lei e a vontade do povo do Brasil”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.