Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Cúpula das Américas: EUA anunciam US$ 1,9 bilhão para conter imigração

Financiamento de empresas privadas foi anunciado pela vice-presidente Kamala Harris e segue abordagem mais cooperativa com países latino-americanos

Por Da Redação Atualizado em 10 jun 2022, 11h28 - Publicado em 7 jun 2022, 18h28

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, anunciou nesta terça-feira, 7, um novo investimento privado de 1,9 bilhão de dólares para combater a imigração ilegal no país, poucas horas antes dos primeiros encontros da Cúpula das Américas, sediada por Washington. 

O financiamento é feito por 10 empresas privadas do setores agroalimentar, telecomunicações, têxtil, financeiro, energético e automotivo e se s0ma aos 1,2 bilhão de dólares assegurados no ano passado também do setor privado. Como encarregada no governo de Joe Biden na questão da imigração, Harris já chega a 3,2 bilhões de dólares direcionados à causa. 

+ Presidente do México confirma que não participará da Cúpula das Américas

Devido a sua posição, é esperado que a vice-presidente assuma um grande papel na cúpula desta semana como parte de um esforço do governo americano para promover uma abordagem mais cooperativa com os países latino-americanos. 

No entanto, é provável que o assunto, tido como prioridade pela Casa Branca, não veja tanto progresso durante o evento devido à ausência do presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, fundamental para a resolução da questão. Ele anunciou que não iria para o encontro devido ao boicote dos Estados Unidos a Cuba, Venezuela e Nicarágua. 

Além dele, líderes do Triângulo Norte da América Central, composto por Guatemala, Honduras e El Salvador, também não estarão presentes em Los Angeles nesta semana, data da cúpula, o que deve dificultar ainda mais a chance de uma resolução concreta. 

Em comunicado, o gabinete de Kamala Harris disse que os investimentos serão responsáveis por gerar dezenas de milhares de empregos nesses países, que contarão ainda com esforços para combater a violência de gênero, bem como planos de apoio aos mais jovens, que serão financiados com a ajuda dos Estados Unidos. 

“Os investimentos visam dar esperança para as pessoas da região construírem vidas seguras e prósperas em suas casas”, disse a Casa Branca em comunicado. 

Continua após a publicidade

Dentre os novos compromissos corporativos, a Visa prometeu investir 270 milhões de dólares focados em trazer 6,5 milhões de pessoas para o sistema bancário formal, enquanto a Gap se comprometeu em investir cerca de 150 milhões de dólares para gerar mais empregos na região.

+ EUA têm trabalho para convencer vizinhos a não esnobar Cúpula das Américas

Responsável por lidar com a questão da imigração, a vice-presidente iniciou suas ações com um tropeço. Em viagem à América Central, em junho de 2021, Harris disse para que os imigrantes não fossem até a fronteira, o que incomodou setores mais progressistas e a própria Casa Branca.

Mesmo com o problema, ela já havia iniciado sua estratégia de pedir apoio ao setor privado para lidar com a questão migratória. De lá para cá, mais de 40 empresas, incluindo a Microsoft e a MasterCard, já embarcaram no plano da democrata. 

Apesar dos esforços, a imigração ilegal parece estar longe de uma solução. Em 2021, cerca de 1,6 milhão de pessoas tentaram atravessar a fronteira dos Estados Unidos sem nenhuma documentação, tornando-se um ponto de vulnerabilidade para o partido democrata de Biden, que precisa de bons resultados eleições legislativas em novembro. Além disso, houve fortes críticas ao modo como o governo lida com a onda imigratória, sobretudo após o deputado democrata Henry Cuellar divulgar uma série de fotos de um centro de detenção lotado que abrigava crianças migrantes.

Líderes republicanos dizem que, por uma postura “mais aberta”, Biden é o culpado pela nova onda de migrantes que está aparecendo na fronteira EUA-México, criando uma situação de crise que ameaça a segurança americana.

Apesar disso, de acordo com o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, a ausência de López Obrador não irá impedir esforços para promover a cooperação.

“Teremos várias oportunidades de nos envolver com nossos colegas mexicanos no contexto da cúpula desta semana e estamos ansiosos por esses compromissos”, disse Price, observando que, apesar da ausência do chefe de Estado, a cúpula irá contar com a presença do ministro das Relações Exteriores mexicano. 

Um assessor de Harris garante também que a relação dela com a líder hondurenha, Xiomara Castro, continua “muito boa”. As duas conversaram por telefone no final de maio e discutiram uma “expansão das oportunidades econômicas na região”. No cargo desde janeiro, Castro já havia dito que não iria à cúpula caso Cuba, Venezuela e Nicarágua não fossem convidadas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)