Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Itália confirma caso de coronavírus na Sicília, primeiro ao sul de Roma

O número de infecções no país subiu para mais de 280; Trata-se da região mais afetada na Europa

Por Da Redação Atualizado em 25 fev 2020, 11h50 - Publicado em 25 fev 2020, 11h45

Autoridades italianas informaram nesta terça-feira, 25, que uma mulher teve teste positivo para coronavírus na Sicília. Trata-se do primeiro caso ao sul de Roma, enquanto o país luta para impedir que o surto se espalhe das regiões onde surgiu primeiro, na Lombardia em Vêneto, ao norte da capital.

O governador regional da Sicília, Nello Musumeci, disse que uma turista de Bergamo, na Lombardia, foi hospitalizada na capital da ilha, Palermo, depois de ser diagnosticado com a doença e todos os que estavam viajando com ela foram colocados em quarentena.

O número de casos na Itália, o país europeu mais afetado, subiu para mais de 280 dos 229 na segunda-feira, com 40 novos casos relatados na Lombardia e nove novos no Vêneto. O número de mortes permaneceu inalterado em sete

Impacto na política

A emergência de saúde gerou ruído entre os partidos italianos, que entraram em colapso na segunda-feira depois que o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, sugeriu que a negligência em um hospital na Lombardia possa ter alimentado o surto.

Continua após a publicidade

Conte disse que o hospital não seguiu o protocolo correto o que “contribuiu para a disseminação [do vírus]”, acrescentando que pode considerar retirar alguns dos poderes que as regiões tinham sobre a política de saúde.

O partido da direita da Liga da oposição, que administra a Lombardia e o Vêneto, reagiu furiosamente.

O líder da Câmara, Riccardo Molinari, disse que as palavras de Conte eram “quase fascistas”, enquanto o porta-voz da Liga, Claudio Borghi, considerou o primeiro-ministro “uma desgraça para o país”.

O governador da Lombardia, Attilio Fontana, acusou Conte de uma “estratégia de desespero … provavelmente tentando atacar os outros para distrair a atenção [de si mesmo]”.

Autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da União Europeia devem se reunir em Roma nesta terça-feira para discutir a crise, que começou na China e agora se espalhou para quase 30 outras regiões.

(com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)