Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Coronavírus: Boris Johnson está estável e respondendo a tratamento

Mais 765 pessoas morreram pela doença desde quarta-feira; governo britânico estuda estender as medidas restritivas

Por Da Redação Atualizado em 9 abr 2020, 12h33 - Publicado em 9 abr 2020, 12h25

Único líder a ser diagnosticado com Covid-19, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, de 55 anos, está apresentando melhoras em seu quadro de saúde após ter sido levado à UTI, disse o porta-voz de Downing Street nesta quinta-feira, 9. O governo britânico também contabilizou novas 765 mortes pela doença desde quarta-feira e estuda estender as medidas de restrições adotadas pelo país.

“O premiê permanece clinicamente estável e está respondendo ao tratamento. Ele continua na unidade de terapia intensiva do hospital St. Thomas (em Londres) e está de bom humor”, disse o porta-voz aos repórteres.

Johnson foi diagnosticado com a doença causada pelo novo coronavírus em 27 de março e imediatamente entrou em quarentena na residência oficial de Downing Street. Mas, dez dias depois, seu quadro não melhorou e alguns sintomas persistiam, como a febre. Seus médicos decidiram hospitalizá-lo no domingo 5 para exames, mas um dia depois sua condição piorou e ele teve de ser transferido para terapia intensiva.

Novas restrições

O ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, que substituiu interinamente Johnson, reunirá assessores, médicos e cientistas e o Comitê Governamental de Resposta a Crises (Cobra) nesta quinta-feira para decidir se as restrições adotadas pelo governo britânico vão ser estendidas. O governo também anunciou que mais 765 pessoas morreram devido ao novo coronavírus.

O “Cobra determinará o caminho para a revisão (do confinamento), mas no momento estamos tendendo a manter as recomendações”, declarou o ministro da Cultura, Oliver Dowden, à emissora BBC. Dowden disse que a decisão será tomada nos próximos dias. “Quando tivermos a oportunidade de realizar mudanças, o faremos, mas agora não é a hora”, disse.

Continua após a publicidade

O confinamento no Reino Unido é menos rigoroso do que em outros países europeus. Seus habitantes estão autorizados a sair para trabalhar, caso seja absolutamente necessário, fazer compras, ir ao médico e fazer exercícios físicos, algo totalmente proibido, por exemplo, na Espanha.

O exercício físico é limitado a uma vez por dia, mas, diferentemente da França, não exige uma justificativa por escrito, não há controle policial e os parques estão lotados de pessoas correndo.

No total, 7.248 pessoas morreram por Covid-19 e 61.487 foram diagnosticadas com a doença no Reino Unido. No mundo, 1.502.618 pessoas foram infectadas e, delas, 89.915 morreram, segundo o levantamento em tempo real da Johns Hopkins University. O pior cenário segue sendo o dos Estados Unidos, 432.554 casos e 14.829 mortes, seguido pela Espanha e Itália. No Brasil, são 15.927 infectados e 800 mortos.

(Com Reuters e AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês