Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Copa do Catar terá novidades e muito luxo, mas está cercada de polêmicas

A festa do futebol chegou ao Oriente Médio. Alvo de críticas e denúncias, Mundial de 2022 será diferente, com peculiaridades que vão da data às distâncias

Por Luiz Felipe Castro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 12h27 - Publicado em 7 jan 2022, 06h00

Causou espanto, em dezembro de 2010, quando o suíço Joseph Blatter, então presidente da Fifa, abriu um envelope com pompa e circunstância para anunciar o Catar como a sede da Copa de 2022. O pequeno emirado do Golfo Pérsico, com 2,8 milhões de habitantes e praticamente nenhuma tradição no futebol, desbancara as candidaturas de Estados Unidos, Austrália, Japão e Coreia do Sul para ganhar o direito de receber o primeiro Mundial em solo árabe. Por razões políticas, econômicas e humanitárias, as contestações foram imediatas e, na esteira dos escândalos de corrupção que derrubaram Blatter e sua turma, perdurou por anos a sensação de que, em algum momento, os planos acabariam frustrados e a Copa se mudaria do Oriente Médio para outro destino. Não foi assim. O sonho do hexa da seleção brasileira terá mesmo Doha e suas adjacências como palco, entre 21 de novembro e 18 de dezembro.

A data escolhida é uma das várias peculiaridades desta Copa. Para poupar os atletas e torcedores dos mais de 40 graus do verão, algo que nem mesmo os ultramodernos aparelhos de ar-condicionado instalados nos estádios seria capaz de minimizar, a Fifa concordou em, pela primeira vez em 22 edições, marcar o evento para o fim do ano, inverno no Catar. Haverá, portanto, um caos ainda maior no calendário do futebol, mas quem na Fifa se importa? A Copa gera fortunas para a entidade (foram cerca de 6 bilhões de dólares de lucro na Rússia, em 2018, e 4,8 bilhões de dólares no Brasil, em 2014) e não haveria de ser diferente na terra governada pelo emir Tamim bin Hamad Al Thani e impulsionada economicamente pela exploração de petróleo.

PROTESTO - Cartão vermelho: as condições dos trabalhadores são alvo de suspeitas -
PROTESTO - Cartão vermelho: as condições dos trabalhadores são alvo de suspeitas – (Alessandro Della Bella/Getty Images)

A Copa será um luxo só. Oficialmente, a organização diz ter gasto 6,5 bilhões de dólares na construção de oito estádios e centros de treinamento. Juntando todas as obras de infraestrutura, que incluem a implantação, do zero, de uma cidade para 200 000 habitantes — Lusail, onde antes havia apenas dunas e agora receberá uma final de Copa —, estima-se que o evento custará 200 bilhões de dólares. A nova linha de metrô com 37 estações levará todos os torcedores aos estádios. O modelo compacto da Copa propiciará um fato inédito: será possível assistir a mais de um jogo por dia das arquibancadas.

Até aí, tudo certo, não fosse um tenebroso contexto. O Catar sofre rejeição internacional devido ao histórico de infração dos direitos humanos, especialmente sobre as condições de trabalho de seus mais de 24 000 funcionários. A Anistia Internacional divulgou um relatório acusando a Fifa, seus patrocinadores e as construtoras responsáveis de exploração de imigrantes. Outro problema diz respeito ao fato de a homossexualidade ser um crime previsto por lei no país islâmico. Nasser Al-Khater, presidente do comitê organizador, garantiu que a comunidade LGBTQIA+ será bem-vinda, mas deve se adequar aos costumes locais. “Eles poderão fazer o que qualquer outro ser humano faria. As demonstrações de afeto são desaprovadas e isso se aplica a todos os torcedores”, disse à emissora CNN, sem especificar qual seria o limite para os gestos de amor. “O Catar e seus vizinhos são muito conservadores e pedimos aos visitantes que nos respeitem. Temos certeza de que o farão, assim como respeitamos as diferentes culturas.” Suas declarações eram uma resposta a Josh Cavallo, atleta australiano gay que revelou ter receio de ir ao Catar.

Continua após a publicidade

arte Copa Qatar

A Copa é importante mecanismo de sportwashing, termo que define o uso do esporte como forma de melhorar a imagem de um país. O mesmo ocorre com o Paris Saint-Germain, clube mediano da França e transformado em potência ao ser adquirido em 2011 pela Qatar Sports Investment, subsidiária do fundo de riqueza soberano do emirado. De certa forma, os gols de Neymar, Messi e Mbappé ajudam a limpar a barra do Catar com o Ocidente. Há quem ouse peitar os poderosos, como os grupos de ativistas com cartazes em eventos da Fifa. Outros são mais assertivos. A seleção da Dinamarca, já classificada para o torneio, anunciou um boicote comercial ao campeonato. A equipe não vai expor nenhum patrocínio e, no lugar, estampará mensagens humanitárias. Até a bola começar a rolar, provavelmente novas polêmicas surgirão. Será mesmo uma Copa diferente.

Publicado em VEJA de 12 de janeiro de 2022, edição nº 2771

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.